Cidades planejadas – Um sonho distante?


Do Estadão:

O que faz uma metrópole ser… uma metrópole? Suas ruas, avenidas e vielinhas? Os bancos, o comércio, as igrejas? Os prédios? Va lá, o trânsito? Mais importante ainda, as pessoas, seus moradores? São justamente essas conexões sem muita explicação aparente entre cidadãos e construções, entre dinheiro e oportunidades, entre forma, função e sensação, que fizeram lugares como Londres, Nova York, Tóquio, Sydney, São Paulo e tantos outros florescerem de pequenas vilas em cidades globais – um processo de centenas de anos, que no fundo nunca tem fim.

Será que, além de definir os conceitos de uma metrópole ideal, é possível construir uma do zero, de uma hora para outra, no meio do nada?

Com um investimento de quase R$ 80 bilhões, o governo coreano está tentando responder a todas essas perguntas em um terreno de seis quilômetros quadrados à beira do Mar Amarelo. Ali, a 65 quilômetros de Seul, está sendo erguida a cidade global do futuro, uma metrópole com o que há de mais moderno em tecnologia e noções de urbanismo, onde tudo é planejado para facilitar a vida do cidadão. Trata-se do maior investimento imobiliário privado já realizado. A ideia é criar um novo centro financeiro da Ásia, uma mistura de Paris, Nova York e Dubai, que deve ficar pronta em 2015 com 80 mil apartamentos residenciais, 4,6 km² de escritórios e um parque com 41 hectares.

Songdo quer ser pioneira em absolutamente todos os aspectos. Será uma cidade “verde”, com 40% de sua área destinada a parques e praças. Será a cidade sem trânsito, com todo o sistema viário planejado para aumentar a fluidez, além de altos investimentos em metrô, bondes elétricos e até táxis aquáticos elétricos. As ruas têm sensores no asfalto, que ajudam a entender em tempo real os deslocamentos, aumentar o tempo dos sinais em caso de congestionamentos e até diminuir a iluminação das vias quando ninguém estiver passando, para economizar energia.

Também será uma cidade “wireless”, totalmente conectada – para se ter ideia, até as garrafas de refrigerante vendidas no supermercado terão uma etiqueta eletrônica; depois de usadas, se as garrafas forem jogadas no cesto de lixo correto para reciclagem, o morador ganhará descontos nos impostos.

Mimos. Outras inovações são invisíveis, mas igualmente surpreendentes. A água das residências, por exemplo, será reutilizada na irrigação. Já o lixo, tanto o orgânico quanto o reciclável, será transportado por meio de canos pressurizados, dispensando a necessidade de coleta. A nova metrópole ainda terá outros “mimos”, como uma universidade totalmente tecnológica onde as aulas serão em inglês; uma ponte de 21 quilômetros que liga o centro ao aeroporto; um prédio de 68 andares, o mais alto da Coreia do Sul; um centro de artes que inclui salas de concerto, museus e uma escola de design; um dos maiores clubes de golfe do mundo; e até um hospital que teve o planejamento de empresas como 3M e Microsoft.

Songdianos. “A ideia é ter uma metrópole digital, com o que há de melhor nas outras cidades como Nova York, Dubai ou Londres, mas juntando com o que a tecnologia oferece hoje”, diz o inglês David Moore, um dos diretores de incorporação do projeto. “Songdo será uma cidade global da Ásia, a poucas horas da grandes cidades da região, e não apenas um parque de diversões.”

Apesar da megalomania do projeto, ele já está saindo do papel – algo em torno de 40% da estrutura da cidade de Songdo está pronta e operante. Cem prédios já foram erguidos, ao custo de R$ 10 bilhões. E interessados em virar “songdianos” não faltam: no início da venda dos primeiros 2.600 apartamentos, apareceram quase 21 mil compradores. Já na segunda leva de apartamentos, 25 mil unidades, que somavam R$ 2 bilhões, foram vendidas em apenas um dia.

Songdo parece uma cidade dos sonhos, mas vai mesmo sair do papel.

Você gostaria de morar em uma cidade complemente planejada desde o princípio?

Acha que seria possível fazer algo semelhante no Brasil, possivelmente até contendo o inchaço em metrópoles já existentes? Ou com o tempo esta metrópole virtual se tornaria mais uma Brasília, lotada de cidades-satélite desorganizadas, perigosas e empobrecidas? Aumentaria o fosso social, ou diminuiria?

Cena infelizmente corriqueiras em grandes cidades brasileiras

Pessoalmente, acho que o planejamento urbano é fundamental para evitar desperdícios e caos posteriores. No documentário de 25min do fim deste post, pode-se observar como o mau planejamento comprometeu a cidade de São Paulo.

Ainda há solução para as grandes cidades brasileiras? Há. Mas não é simples, e exige comprometimento da sociedade, dos governantes e investimentos vultosos em reestruturação do que já existe. Não adianta criticar a falta de opções de transporte e desrespeitar os poucos que se arriscam a andar a pé ou de bicicleta, por exemplo. É preciso uma mudança drástica de atitude.

E você, acha que as cidades brasileiras ainda conseguem escapar do caos?

Between Rivers from Caio Ferraz on Vimeo.

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: