O mês em que me tornei uma feminista peluda, por Melissa de Miranda


A Melissa de Miranda é uma grande amiga que eu ainda não conheci, uma daquelas pessoas com quem cruzamos pelo mundo virtual e nos encantamos pela sua inteligência, carisma e incrível capacidade de expressão. Ontem à noitinha ela publicou em seu facebook este texto que eu copio abaixo. Simplesmente INCRÍVEL. Vale a leitura, mesmo que você, leitora, nunca deixe de se depilar.

Este texto começa com a minha vergonha em compartilhar esta foto (abaixo). Minha relutância e pavor – independentemente de quantos artigos feministas já li ou escrevi. E então aquela voz que sussurra baixinho em minha consciência: mas não temos todas nós, mulheres adultas, pêlos?

E decidi: se compartilhar e escrever, talvez outra garota se sinta bem com o seu corpo.

Naturalmente a resposta é que sim. Temos. Mas, em termos de cultura, não. Não temos. Ou não em público, pelo menos. Antes que alguém me venha com a clássica – “cada um faz o que quer” –, já aviso que não é bem assim e vocês sabem que não. Risadas, olhares de nojo e dedos apontados na rua nos dizem que não. Da forma mais grosseira e invasiva possível. Somos piadas para conhecidos, para a família, para estranhos. Eu posso atestar isso. De todas as formas que o meu feminismo incomoda as pessoas à minha volta (“você não vai ser aquelas loucas, chatas, né?”), a principal preocupação é se eu, pelo amor de Deus, vou continuar a me depilar. Porque manter os meus pêlos não é uma opção. Deixar os seus pêlos crescer, aí sim, é ultrapassar todos os limites do aceitável.

Que vergonha. Que horror.

O que me preocupa é que cada vez mais a feminilidade está associada ao que não é natural para as mulheres (todos os pêlos arrancados, a maquiagem o dia inteiro, o cheiro artificial comprado em farmácias). E o que é natural é voltado contra nós [1] – nossos pêlos são motivo de estresse e de vergonha; nossa menstruação é nojenta; nosso corpo pós-parto é grotesco. Quando Simone de Beauvoir disse que não nascemos mulheres e, sim, nos tornamos mulheres, duvido que ela pudesse previr o quão caro isto custaria no século 21. Isto é, semanalmente. Dos nossos bolsos, de todas nós.

A feminilidade não está associada a algo que temos naturalmente. Precisamos comprá-la, constantemente, e então mantê-la. Estou falando de procedimentos (no plural!) que gastam tempo e dinheiro, que nos causam dor, e cuja ausência muitas vezes nos impede de dormir com alguém, de vestir shorts no calor, entrar na piscina ou até de sair de casa. É algo semelhante ao que os homens vivenciam com a impossibilidade de manter-se em determinados empregos e deixar a barba crescer – o que vira sinônimo de desleixo e falta de higiene –, mas em demanda e proporções bem maiores.

Lembra quando vocês ficaram bravos com a moda metrossexual?

Pois são todos os nossos pêlos. Buço, axila, pernas, virilha, rosto, costas, barriga, braço. Junte isso à gordofobia e a uma cultura pesada de valorização feminina pela aparência [2] que já dura séculos e não me parece surpresa alguma o quão intensamente nos odiamos. Não ouvimos nenhuma dizer o contrário [3]. Somos, por natureza, um incômodo a nós mesmas. Temos dez vezes mais [4] distúrbios de alimentação, associados a autoimagem. O quádruplo [5] das tentativas de suicídio, ainda que os homens sejam três vezes mais bem-sucedidos neste campo. Isto são muitas (muitas!) mulheres.

Esta foi a primeira vez em 26 anos que deixei os meus pêlos crescerem e saí de casa sem escondê-los. Começou com uma campanha de saúde – a Armpits4August [6] –, mas se tornou uma jornada de leituras e mais leituras e novas experiências. Descobri coisas muito interessantes pelo caminho e gostaria de compartilhar algumas:

A – AO CONTRÁRIO DO QUE TE DISSERAM, É MAIS HIGIÊNICO!

Pêlos existem em nosso corpo por um motivo. Entre eles, para nos proteger (impedindo que bactérias e suor entrem em nosso canal vaginal, por exemplo), regular a nossa temperatura e afastar o suor da nossa pele. Li o depoimento de um médico que explicava como as bactérias, inclusive as que causam odor, se proliferam melhor na pele depilada. Afinal, criamos ali um ambiente úmido, quente e desprotegido. Agora claro que eu não deveria ter te contado isso, não é? Talvez você economize na farmácia e no consultório e ninguém vai querer isso. Melhor continuarmos escurecendo a pele estressada da nossa axila e gastando dinheiro para nos arrancarem os pêlos do corpo um a um, com cera quente.

B – É UMA QUESTÃO DE GOSTO… MAIS OU MENOS…

O mais curioso foi uma das vezes em que argumentei isso (tópico A) e um cara, provavelmente com todos os seus pêlos intactos (assim como toda a outra metade da população mundial tem), respondeu: “prefiro todas as bactérias do mundo a mulheres peludas”. Uau, quanta consideração! E está aí possivelmente a raiz – see what I just did there? – do problema. A rejeição. Ah, aquele sentimento tão antigo de que só somos felizes e inteiras se temos alguém; ah, aquele medo então de ofender e de perder todas as nossas chances; oh céus, os homens e a nossa solidão. Coitada da Nanda Costa [7] (e a enxurrada de xingamentos que recebeu!).

Tesão, como muitas outras coisas em nossa sociedade, é cultural. Em termos gerais. O que achamos bonito ou feio é algo que – sinto informar a sua falta de originalidade, amigos e amigas – aprendemos através das nossas experiências, o que nos garante certa individualidade, mas mais massivamente graças aos padrões vigentes. E também muda, como tudo na sociedade. Nos anos 80 os pêlos eram (mais) aceitos; nos 90, adotaram uma moda mais discreta; e nos 2000, com a chegada da internet e expansão da indústria pornô, foram banidos e restritos à categoria “fetiches bizarros”. E agora, em pleno ano de 2013, garotos de quinze anos esperam que as suas namoradinhas não tenham um pêlo sequer (eca!), em lugar algum, antes mesmo de enfiar a sua mão (com consenso, pfvr!) calcinha adentro, alguma vez na vida. Roubei esta teoria da incrível Caitlin Moran [8], a propósito.

Aos amigos, por favor, leiam esse artigo [9] do Manual do Homem Moderno. Eu adorei.

Mas agora falando sob uma perspectiva bastante pessoal, me parece mais atraente alguém que controla o próprio corpo e as suas escolhas; sabe aquela autoconfiança e independência realmente sensuais? A meu ver, quem é segura o suficiente para bater de frente com a sociedade é também mais segura na cama e na forma como conduz a sua sexualidade; me parece bem mais instigante ver alguém sem medo de se expor, de tentar algo diferente. E presume-se que, no mínimo, a pessoa já discutiu e leu muito antes de sair por aí sendo contracultural. Está pré-disposta a ter uma cabeça mais aberta. E cada vez mais me atraio por quem quebra as regras e menos por quem segue todas elas sem questionar. Faz sentido?

Outra vantagem é que os meus pêlos fazem a pré-seleção natural por mim. Dos (e das) babacas com quem não quero me envolver.

C – HAIRY MAKES IT HOTTER! (a cama e a ciência comprovam…)

Podemos discutir à vontade. Mas a verdade é esta: pêlos em seu habitat e formato natural não só aumentam a sensibilidade prazerosa – e não a negativa; quantas de nós sentem dor com o atrito [10] nos primeiros dias após a depilação ou quando o pêlo começa a crescer novamente? –, como são os principais responsáveis pela liberação de feromônios. Aquelas partículas mágicas, conscientemente imperceptíveis, que flutuam no ar e fazem outras pessoas quererem transar com você. Se chama natureza – e ela sabe o que está fazendo, ok.

Li duas pesquisas diferentes, durante este mês de agosto, que falavam sobre os efeitos físicos dos feromônios em pessoas vendadas e achei espetacular os resultados. Uma pessoa excita a outra sem qualquer percepção (consciente). E paralelamente, imagino que mulheres esterilizadas façam alguém querer transar com elas tanto quanto plástico. Mas como eu disse antes, tesão é cultural e nós o estamos comprando em sex shops, já que todos os atrativos físicos que natureza nos deu nós, claramente, estamos erradicando.

Google it!

D – TER PÊLO É, POIS É, FEMININO!

Eu sei. Eu sei. Eu sei. Não é fácil se livrar do que você por décadas acreditou ser atraente ou condizente com o fato de que você nasceu com um sistema reprodutor feminino (bingo!) e é mais difícil ainda se livrar da droga do binarismo de gênero (vamos parar de colocar as coisas de meninos numa caixinha e as de meninas em outra? Assista isso, mudou minha vida [11]). Mas pêlos são, de fato, uma coisa de mulher adulta.

E – O FEMINISMO E A LIBERDADE INDIVIDUAL

Ninguém deve te obrigar a nada. Nem a depilar, nem a manter. Como diria Vange Leonel, frase esta constantemente citada por mim, o feminismo é um esforço diário. Esses conceitos (tópico D) estão enraizados dentro de nós e boa parte do processo de desconstrução trata-se de um exercício mental consciente. Não vem da alma, acredite. É discutir. Questionar. Rever. Se colocar fora da sua zona de conforto. E voltar correndo num belo dia de sol – e se depilar por mais três meses de verão no escurinho do seu banheiro – para depois tentar de novo ou nunca mais. Sabe-se-lá! Acontece. Devemos fazer o tanto quanto queremos fazer.

Ninguém deve se sentir obrigada a se depilar. Ou a rejeitar tudo o que não é natural. Gente! Eu sou SUPER a favor das possibilidades e das liberdades individuais. Vamos pintar o cabelo de roxo ou raspar a cabeça, fazer plástica, furar o próprio corpo, tatuar, depilar ou não e o que quisermos. Viva! O que me incomoda é apenas a obrigatoriedade da depilação. A imposição de um único padrão que não seja associado a termos negativos em nossa sociedade – suja, porca, feminista cabeluda e sapatão (sim, sou eu!) –.

Claro que a luta, em termos mais amplos, é para que não sejamos julgadas moralmente ou classificadas por nada de antemão pelo que usamos ou fazemos com o nosso corpo. Mas é aí que se torna importante sermos – e vermos – cada vez mais mulheres diferentes. Os pêlos no meu corpo abrem espaço para outras mulheres se expressarem nas mais diversas maneiras. Não se trata de abdicar da depilação como um todo, se trata de normalizar outras opções. E não só uma (oooh, so boring!).

O FATO É: MULHERES TÊM PÊLOS. Superem isso. Usem os seus com orgulho – ou ao menos, busquem uma relação mais saudável e amorosa (menos repulsiva) com o seu próprio corpo.

UNS LINKS ÚTEIS:

[1] Artigo “Nojenta?”, da Revista TPM:

http://revistatpm.uol.com.br/revista/89/reportagens/nojenta/page-1.html

[2] Artigo “Men and the Sexualization of Young Girls”, do Hugo Schwyzer:

http://goodmenproject.com/ethics-values/men-and-the-sexualization-of-young-girls/

[3] Entrevista “Kate Winslet: I accept my body”, no Belfast Telegraph:

http://www.belfasttelegraph.co.uk/woman/fashion-beauty/kate-winslet-i-accept-my-body-28677609.html

[4] Distúrbios de alimentação e autoimagem, na UOL:

http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=11984&cod_canal=33

[5] Estatísticas de suicídio, no ABC da Saúde:

http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?401

[6] Artigo sobre o “Armpits 4 August”, no The Guardian:

http://www.theguardian.com/lifeandstyle/2013/jul/18/armpits-4-august-body-hair-feminist

[7] Artigo “Nanda Costa salva a Mata Atlântica” sobre depilação, no NLucon:

http://www.nlucon.com/2013/08/nanda-costa-salva-mata-atlantica-da.html

[8] Obra “Como ser mulher” da Caitlin Moran, na Livraria Cultura:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=30181875&sid=72222021414866889672967

[9] Artigo “Preconceito dos ‘pseudo-homens’ contra as mulheres peludas”, no MHM:

http://manualdohomemmoderno.com.br/comportamento/nanda-costa-e-o-preconceito-dos-pseudo-homens-contra-as-mulheres-peludas

[10] Vídeo “Teat Beat of Sex: Hair”, no MadAtoms:

http://youtu.be/q-Pk3dYUl5w

[11] Vídeo “Alice Dreger: Is anatomy destiny?”, no TED Talks:

http://www.youtube.com/watch?v=59-Rn1_kWAA

Etiquetado , , , , , , , ,

111 pensamentos sobre “O mês em que me tornei uma feminista peluda, por Melissa de Miranda

  1. Lívia disse:

    Melhor? Impossível! Parabéns à Melissa por tamanha coragem, e ao escritor, por veicular este texto tão lindo!

  2. Sinto muito, mas não concordo com essa onde de ficar com “subaco cabeludo”, sorry, mas é complicado. Imagino que você não mora no Brasil, neh…porque com esse calor que faz aqui…uuuiiiiiiii!!!

    • Oi Vanessa!

      Moro, sim. Não sei se você leu o texto todo, mas no tópico A eu falo sobre algumas vantagens dos pêlos para controlar a temperatura do corpo e também afastar o suor e o cheiro! E no tópico E (o útlimo), falo sobre a importância da liberdade de cada mulher, inclusive de se depilar se quiser ❤

      Obrigada por comentar! (:

      • Marcello disse:

        Olá, Melissa. Eu sou homem, brasileiro e acho lindo, realmente sensual mulheres que não depilam as axilas. Acho realmente atraente. Confesso, no entanto, que sofro bastante com isto cada vez que me manifesto publicamente isso. Todos me olham como se eu fosse uma espécie de tarado, ou fetichista quando digo isso. Tem mulheres que me olham e chegam a dizer “puxa, mas um cara legal como você tem essa mania”. Ora, ora, diante dessa situação eu quase sempre procuro esconder esse meu gosto. É mais fácil. Quando estou namorando alguém e a moça me conta que não conseguiu se depilar seja na virilha ou nas axilas… o máximo que digo é: “eu não me importo”. Faço isso, porque sei que se eu incentivá-la, ela pode pensar mal de mim. Que droga de sociedade não. Eu tenho pelos, sempre tive, não depilo… e moro no Rio, porque a mulher não pode ter? Ora, ora…rsrs A propósito, a foto ficou linda! 😉

    • BOUAAA !!! “Vanessafigueiredo23” … Isso Aqui é (BRASIL) … G.: (Ôuche)

    • Aborbinha disse:

      Mas vem ká: e todos os muchachos que viven en Brasil e têm pelos nas axilas? E muito mais pelos, inclusive! Eles não sofrem pressão para tirar. Então não tem a ver com calor nem higiene.

      • Danillo Nunes disse:

        Existe um senso comum de que homens em geral são mais sensíveis ao calor e mais resistentes ao frio. Talvez isso tenha relação com os pêlos (mas de qualquer forma isso realmente não é nada demais, todo homem sobrevive a isso).

    • jehnaara disse:

      Tem certeza que você leu o texto? Ou melhor, tem certeza que você entedeu o texto?

  3. Se existia em mim alguma dúvida ou repulsa perante o assunto, digo que, com esse texto, tudo sumiu. Obrigado por inspirar e amplificar minha visão. Beijos. ❤

  4. Thamíris disse:

    Sua linda! 🙂

  5. Carlitos disse:

    Prazer Subaco cabeludo ass Gillette

  6. Bia disse:

    Melissa….não sou adepta total na depilação…aliás, isso pra mim é sofrível, imensamente sofrível. Voltei aos anos 80 e minha pepeca ta como da Claudia Ohana…hehe. Não suporto depilar….Tenho uma vantagem, não moro aonde tem praia e não gosto de piscina, meio caminho andado…rs.
    Mas acho depilação a pior imposição estética pras mulheres….sofria pra depilar, sofria quando nascia de novo….um lopping de sofrimento….rs
    Um beijo p vc!

    • Achei demais o seu depoimento (arrasa o look Claudia Ohana, gata!). É importante ter a perspectiva de várias mulheres e várias formas de depilação e não depilação. Acho tudo válido! =)

      E eu também nunca me adaptei bem à depilação, sabe, com cera mesmo fiz apenas uma vez e para nunca mais. Mesmo antes de questionar conceitualmente a depilação, eu sentia que nada no mundo valia toda aquela dor! rs Depois da experiência em agosto passei a ter uma relação muito mais tranqüila com o meu corpo. Os pêlos vêm, eles vão, eu gosto de todas as alternativas, hehehe.

      Beijos de volta!

  7. Leonardo Oliveira disse:

    Meu Deus, ato totalmente nojento e desnecessário, me poupe da sua vulgaridade, mulher. O neofeminismo se tornou algo ridiculamente desnecessário, você envergonha qualquer símbolo do feminismo que já lutou por uma causa nobre. No mais, o texto está bem escrito, a pesar das idéias realmente me enojarem. Não lhe parabenizo, pelo contrário, sinto pena da sua personalidade.

    • Ariane disse:

      E lutar para pensar, ser e viver do jeito que quiser, inclusive em relação à depilação, não é uma causa nobre? Desculpe, mas a única coisa digna de pena é esse tipo de pensamento pequeno, que associa pelo à vulgaridade. Por favor né!

    • Uau, Leonardo. O texto realmente te incomodou, não? Sinto que. já que causei tanta pena e nojo, devia colocar a minha perspectiva aqui (metade de mim sente-se impelida, a outra metade simplemente sofre de verborragia). Então, bom…

      Eu, particularmente, não tenho problema com o conceito de “vulgaridade”. Gosto dela. E gosto de pensar que não sou dessas pessoas que acham que o que é popular ou comum à maioria é tosco ou ofensivo. Existe sempre injustiça ao se julgar moralmente quem não se conhece. Mas fiquei curiosa com o que exatamente você considerou “vulgar” nesta foto ou ainda neste texto, que a meu ver não ataca ninguém e expressa-se de forma bastante positiva, quase bem-humorada (que é como eu me posiciono com relação a tudo). Falo de liberdades individuais; de se permitir ver beleza em tudo ao invés de numa coisa só (não só as mulheres peludas e nem só as depiladas, mas em todas as mulheres e como escolhem se expressar); de empatia e respeito. O que há de errado e tão terrível nisso? O seu comentário me pareceu uma resposta um tanto desproporcional, em termos de agressividade. Por que?

      Isso me fez imaginar: você deve se depilar por completo, não? Afinal, você parece sentir uma repulsa muito grande (e verbalizada) por pêlos. Sinceramente, se a minha existência vulgar, em suas palavras, o incomoda, acho que te faria bem se poupar de mim. Só não vejo por que eu tenho que fazê-lo por você. Fique à vontade! Mas proponho, em contrapartida, que ao invés de refutar tudo o que te incomoda, você procure entender por que, afinal, te incomoda tanto. A ponto de escrever um comentário tão negativo. São só pêlos e não estão no seu corpo (e sinceramente, nem te atacando). Tudo o que nos incomoda é uma oportunidade para questionamento, de autoconhecimento ou entendimento de como o mundo funciona para uns e outros. Os nossos nojos são respostas tão sociais, quanto psicológicas, internas, e dizem muito sobre as nossas limitações. Eu aproveitaria a oportunidade… =)

      No mais, não acredito que exista um “neofeminismo”. O machismo não sumiu e retornou: ele permanece, como sempre esteve, aqui. E o feminismo também. Acho o máximo que o feminismo, assim como o machismo, acompanhe o seu tempo e as pessoas que nele agem e se expressam, os sentimentos de cada época. Muitas causas por veez, não apenas uma. De qualquer forma, tenho certeza que você não terá dificuldade em encontrar registros visuais de feministas dos anos 70 usando os seus pêlos com orgulho, como uma bandeira, assim como eu e outras continuamos fazendo neste milênio (com uma perspectiva atual).

      Uma causa, por menor que seja, não anula outra. E as chances são de que a pessoa que você está criticando, provavelmente, está fazendo muito mais não só por esta causa, mas também pelas demais. Inclusive as que você chama de “nobre”. Empatia não é uma escolha focada, ela geralmente se manifesta em alguém em mais de um aspecto. Eis a beleza da complexidade humana. Se eu só me ocupasse com uma coisa, estaria deixando de lado inúmeros outros problemas que causam dor e constrangimento aos outros. E não quero fazer isso. Prefiro escrever sobre todas as injustiças que vivencio ou das quais tenho conhecimento. Esta é uma delas. Não a acho desnecessária. O que você, por sua vez, está fazendo para fazer com que os outros se sintam melhor?

      • Raposa disse:

        “Tudo o que nos incomoda é uma oportunidade para questionamento, de autoconhecimento ou entendimento de como o mundo funciona para uns e outros. Os nossos nojos são respostas tão sociais, quanto psicológicas, internas, e dizem muito sobre as nossas limitações. Eu aproveitaria a oportunidade…”

        É com pensamentos assim que temos direitos humanos defendendo bandidos, gente defendendo marginais aprontarem o que quiserem em shoppings, nos roles

        Se é bom para uns e ruim para outros e aí? se ajudar quem chora é bom pros chorões, mas ruim para todos pois enfraquece a sociedade desmotivando os que lutam ao passo que incentivam os que choram

    • Pathy disse:

      Estou tentando entender qual a sua revolta, já que o texto todo fala de se aceitar e de como é libertador não se prender aos padrões impostos por essa sociedade machista. Meu caro, SE LIBERTE!
      P.S.: vulgar, todxs somos!

      • Raposa disse:

        Que sociedade machista é essa que os homens tem uma vida infinitamente mais difícil tem os piores trabalhos, vive nas piores condições, tem de ser deuses o número de suicídios comprova que vivem no hard mode e as mulheres no easy

    • Discordo de você, Leonardo. As ideias do texto são inspiradoras e libertadoras. Ao contrário da nossa cultura que promove o prazer sem significado, o texto não valoriza a vulgaridade. Ele mostra que a beleza é um princípio que deturpamos ao tirar-lhe a liberdade.

      • Raposa disse:

        deixa de escovar os dentes também? Já que o natural é viver sem?¬¬ Largue pentes, escovas, até roupas, enfim todo produto da cultura pois são anti-naturais

    • Seria patético se não fosse pateta!

  8. Nathany disse:

    Alguns acham escroto e banalizam a sua ideologia mas francamente parabéns pela coragem e pelo respeito com o próprio corpo, sabe uma vez eu fiquei sem depilar a axila e um amigo viu a cara de nojo e repulsa dele disse tudo, eu me depilo mas sabe na minha opinião se um homem pode porque não uma mulher??? As pessoas querem evolução mas graças aos preconceitos acabam regredindo e ignorando as próprias vontades apenas porque aquilo é esteticamente aceitável aos demais.
    Então gata você e todas as peludas são lindas do jeito que são e não precisa de ninguém com pensamentos tolos e minimalistas.

    • Arrasou! Obrigada pelo apoio (e pelo comentário todo), é sempre ótimo encontrar compreensão em outras mulheres. O que você falou a respeito de ignorar as próprias vontades por receio “social” é lamentável, sinto que a medida do possível para cada uma devemos explorar mais e mais possibilidades para que outras mulheres se limitem cada vez menos. Isso é lindo! Puro feminismo. =)

    • Raposa disse:

      Na hora da conta o cara pediu pra rachar…a cara de nojo e repulsa dela disse tudo, imagine se ele cobrasse que ela quem pagasse tudo?¬¬

  9. Catilla Dias disse:

    eu adorei sua matéria me tirou até umas duvidas que eu tinha, vou fazer uma experiencia e deixar crescer um pouco e vê como fica

  10. Vivian Pott disse:

    Melissa, em primeiro lugar grito daqui de casa um estrondoso OBRIGADA!!!!!!! (confesso que o agradecimento foi acompanhado de um putaquepariuatéqueenfimporraalguémcombomsensonessamerda) =/ enfim, desculpe-me a baixeza, foi involuntário! Juro!
    Claro que adorei o texto incrível e parabenizo por ser muito bem planejado e escrito, totalmente original, mas enfim acho que isso você já está careca de saber u.u Ops! Nem tão careca assim haha (aff releve a piada tosca, sim? Estou nervosa e um tanto constrangida) e é por isso que estou aqui…de coração aberto…Sim! De alma exposta ansiando por uma ajuda, conselho, dica, simpatia, energia positiva…Olha… Sabe, sempre tive asco aos pelos, por favor não me entenda mal eu suplico! Deixe-me explicar para que você entenda. Desde criança presenciei a luta ferrenha de minhas tias (que moravam comigo na época) em lidar com os pelos “intrusos” do corpo. Depilações, barbeadores, máquinas de depilar (arrancar) tão grotescas que “Jogos Mortais” fica no chinelo… Era todo fim de semana aquela sessão terror… Fora quando elas resolviam dar um tempo aos coitados (dos pelos) e apenas os descoloriam com produtos que ardiam os olhos e a garganta. Arrgh! Falando assim parece que sou uma pequena gorila sobrinha dessa gorilada cabeluda né? Nãoo…elas nem tinham pelos meu… poxa! Mas enfim, fui crescendo e amadurecendo ROGANDO aos céus por ter alguma disfunção genética que me privasse dos cabelinhos corpóreos, mas claro que mais cedo ou mais cedo a mãe natureza me abençoou com centenas deles >.< Não me considero cabeludérrima, mas o pouco que tenho me incomoda =/ Como diria Jack, vamos por partes? OK.
    *Axilas: Depilo com lâminas e isso me causa irritação e me machuca. Mas quando tento deixar crescer morro de nojo daqueles pontinhos pretos que me espetam a cada movimento dos braços. =/
    *Buço: Depilei com cera uma vez e quase mandei a cabeleireira ir depilar a… que pariu ela. Hoje não depilo, mas também não me incomoda…é uma penugenzinha tosca aloirada que até tenho amor por ela *-* rs
    *Coxa: Nunca depilei! Graças! Por sorte nunca passei lâmina ali (talvez pq nem sabia que ali depilava tb) e então salvei essa parte. O pelo é fininho e claro. Yes!
    *Perna: Depilo com lâmina e me irrita muito! Essa parte não me importo quando está grande…aliás até me esqueço de depilar, ás vezes saio de bermuda e acabo percebendo a presença dos pelos somente já no destino kkkk
    Agora sim… as partes; "Conchinha" e "Ouriço" u.u: Depilei com cera enquanto assistia Joana Dark em DVD… Nem preciso dizer o quanto excomunguei a pobre Joana por ela NÃO saber o que era dor de verdade 😥 ….Pois bem, hoje depilo com lâmina a cada 15 dias mais ou menos. Até que eles [pelos] demoram a crescer, mas quando vêm eu fico com raiva, frustrada e impaciente…mas quando depilo…POUTZ Mel, é só terror. Coça A MORRTEEE. Uma coceira tão tão …tão gostoosa e ao mesmo tempo tão torturante! Ahhh é horrível! E eu não sei o que faço… Depilo ou não depilo? Aparo?? Deixo crescer?? Sou fresca?? =(
    O pior é que esse meu asco não se estende aos outros. Minha namorada por exemplo demora um século pra se depilar e eu ADOROOO aqueles pelinhos loirinhos em uns lugares, pretinhos em outros *—* Ela só se depila quando precisa usar shorts, ou ir na piscina etc… A sua foto por exemplo está incrível! Parece até que seus pelos estão felizes com a dona que não os bloqueiam! Senti essa vibração de liberdade só de ver a foto. Nunca reparei em pernas, axilas de outras meninas ou meninos. Pra mim nunca foi relevante, mas… em mim parece que eles estão ENORMES e tão a vista. =(
    Me ajuda Melissa?
    Acha que preciso de ajuda mais séria? Ter nojo só dos pelos do próprio corpo?!
    EU QUERO muitooo deixar meus pelinhos em paz… como fazer e não me sentir uma ursa?

    Assinado, uma garota de epiderme sensível e pelos teimosos e fortes!

    PS: Minha mãe ao contrário de minhas tias sempre foi "a vontade" rs… Ela não se depila MESMO! E sempre me incentivou, mas apesar de tantas tentativas eu sempre volto a me torturar.

  11. Marcelo disse:

    Sou homem, peludo e não me importo com mulheres com muitos pelos no corpo (braço e pernas, por exemplo). O único lugar que pelos me incomodam numa mulher são nas axilas, acho sensual demais uma axila completamente lisa, enquanto acho brochante um suvaco “barbado”. Mas isso é meu gosto, enfim…

    Entendo e respeito sua luta pela liberdade de ser dona do seu próprio corpo, mas nesse ponto específico acho uma bobagem, algo desnecessário.

    Seu blog podia ter o fundo rosa shocking com letras verdes piscando, se você quiser. Mas aposto que você não faria isso pois tornaria difícil a leitura, difícil apreciar a leitura e você quer aceitação do seu público. Mesma coisa vale pra você e pra sociedade, onde você precisa causar boa impressão, seja pra um recrutador de uma empresa, seja pra um possível namorado(a).
    Desculpa o exemplo idiota.

    • Marcelo, por que a mulher TEM QUE controlar suas axilas de acordo com o gosto da sociedade? E daí se tem gente que não gosta? Por acaso eles pagam as contas dela pra darem algum palpite em sua vida? Que eu saiba não.

      Eu raspo minhas axilas porque quero, mas se algum dia eu cismar que não vou raspar mais, acabou. Não raspo e pronto. Quem gosta de mim vai me aceitar como sou. Quem não gosta, que saia do meu caminho de uma vez porque não nasci pra agradar a ninguém.

      E que diferença isso faz na entrevista pra emprego sendo que geralmente as pessoas vão com roupa de manga? E se o sujeito é capaz de me rejeitar só por cabelos no sovaco, então é até um favor ele sair da minha vida.

      • Danillo Nunes disse:

        Mallagueta, acho que o que o Marcelo está dizendo não é que você tem agradar todo mundo, mas sim ter consciência que, ao deixar de depilar, você estará de agradar um parte da sociedade e isso pode ter lá suas desvantagens, aí você tem que pesar se isso vale a pena ou não.

      • Danillo Nunes disse:

        você deixará* de agradar (maldito WordPress que não me deixa editar meus comentários).

      • Raposa disse:

        Rejeitar o homem por causa de pp ou não tem carro tudo bem né? ou ainda um inexperiente¬¬ Cadê os direitos iguais quando sãos homens que estão na pior [Maioria dos casos]

  12. Luccas Longo disse:

    Somos mamíferos e temos pêlos, ué! Recomendo a leitura do excelente texto da amiga, Melissa de Miranda, que sem fazer cera (quente), sugere a naturalidade que o corpo merece! Bravo!

    • zuzazapata disse:

      Eu discordo desse papo de “somos mamíferos”, “esse é o nosso natural”… o ser-humano já se afastou disso, pelos, hoje, é apenas uma questão estética, nós usamos roupas coisas que outros mamíferos não fazem. E se pensamos nos Índios por exemplo, eles tem quase nenhum ou nenhum pelo no corpo. As pessoas nascidas por aqui tinham pouco pelo mesmo, mas aí veio a civilização, a miscigenação e tudo mais. O que quero dizer é que “esse é o nosso natural” não existe mais.

  13. Larissa Carneiro disse:

    Adorei o texto, Melissa! A questão é justo essa: LIBERDADE! Esse é o ponto.

    Parabéns pelo texto.
    Muitas de nós falaram junto com ele.

    Abraços

  14. Raquel Santos disse:

    Adorei.
    Gratidão pelo texto simples e direto!

    🙂

  15. Não sabe como fiquei feliz em ler esse texto! Gratidão! 🙂

    Ha tempos atrás publiquei uma foto minha e um texto assim no meu facebook, com o intuito de trazer reflexão, em poucas horas foi muito compartilhado e comentado, muita gente desconhecida surgiu pra criticar, assim eu tive que trancar a foto só pros amigos. Agora, meses depois, alguém resolveu publicar essa minha foto na intenção de fazer piada, e agora eu vejo direeeeeto minha foto circulando na internet em vááários blogs de piadas pejorativas. Imagina o terror hahahaha

    Olha só, (minha foto num blog com boa intenção): http://logicafeminina.com.br/destaque/sou-linda-e-nao-preciso-me-depilar-diz-amanda seria bom se todos tivessem a mesma educação. :/

    Mas aprendi a lidar. É assim mesmo, as pessoas são pessoas reprimidas, deprimidas, são escravas do sistema e ainda assim fazem de tudo para defendê-lo. Compreendo. Cada um tem seu processo de evolução, né?

    Fico toda orgulhosa vendo as irmãs se emponderando, se libertando, resgatando seu poder, se reconectando com a verdadeira essência feminina que nada tem a ver com aparências. Parabéns, você é um ser incrível, espero que nossos caminhos se cruzem lá fora…
    Ah, te adicionei no facebook! 🙂

    Todo Amor
    Amanda Yîara

  16. Leandro disse:

    Moça vc é uma mulher de pele delicada bonita, se pelo debaixo do braço ja é meio asqueroso em homens imagina nas mulheres que sáo a coisa mais linda deste mundo.
    Faz assim, corta o cabelo careca deixa os pelos crescerem e toma bastante testosterona ate pq todos os mamiferos de todas as especies tem pelos iguais e nao é justo q vc nao tenha barba

  17. Ana disse:

    Amei o texto.Penso como vc , cada um sabe o que é melhor e mais bonito para o próprio corpo.Se vc não vê necessidade de uma depilação , não a faça para agradar outra (s) pessoa(s). E esse povinho que fica xingando os outros só por causa dos pelos, além de serem completamente desrespeitosos, são alienados e manipulados por modinhas .Até pq , eu aposto que a maioria dos pais dessas figurinhas tinham e ainda têm pelos , e isso não os impediu de trazerem esses seres o mundo !!

  18. Fiquei muito feliz lendo esse texto! Estou com os pêlos das pernas bem grandes desde o julho. Em dezembro tenho que ir a um casamento e preciso usar vestido, mas não quero me depilar! Tô procurando me empoderar cada vez mais, para conseguir rebater qualquer crítica escrota que venha contra mim!
    Eu tô adorando meus pelinhos! ❤
    Muito amor para vc! Linda!

  19. Stephania Imperial disse:

    gratidao querida, eu nao depilo os pelos da minha perna tem mais de um ano, em baixo do braço ainda tiro as vezes q faço muito esporte e acaba cheirando um pouco a mais e nao gosto muito de desodorantes, mas na maior parte das vezes só aparo mesmo. O texto ficou muito bom e trabalha todas as questoes q acabamos tendo, como os preconceitos alheios, como o da propria familia. Eu tenho alergias horriveis e quando resolvi me manter peluda pude ter a satisfação de nao ter mais essas dores.

  20. bando de doent edo karalho disse:

    vocês são todos doentes certo?

  21. Celina disse:

    O texto é muito bom mesmo, parabéns, Melissa! Mas, eu continuo não gostando muito de pelos… Não só em mim, mas principalmente no meu marido… Acho lindo as mulheres que se aceitam e aceitam o outro peludo, mas eu odeio homens peludos e não suporto ter pelos também… Meu marido naturalmente quase não tem pelos e aonde ele costuma ter (barba e região genital) ele raspa. Eu, graças a Deus tenho muito pouco pelo também, sempre me depilei muito pouco, para mim nunca foi um processo doloroso, já que depilo minhas genitais 1x por mês e a perna a cada 3 meses (e raspo a axila). Confesso que foi muito difícil deixar de depilar a minha região genital no final da minha 1a gestação (começou a incomodar muito e a doer ficar depilada, então permaneci com pelos), mas foi um processo interessante, porque depois disso que passei a aceitar os meus pelos e os dos outros com mais naturalidade… Talvez antes eu sentisse repulsa quando via uma mulher ou um homem peludo, mas hoje eu não sinto mais (aliás a sua foto está bem bonita por sinal). Continuo não sentindo atração por pessoas com muitos pelos e preferindo o meu corpo sem pelos, mas talvez eu veja tudo por uma outra perspectiva hoje…

  22. senti de participar para ajudar a desmistificar certas afirmações feitas aqui, algumas ingênuas e outras sintomas de dissociação. primeiro é óbvio que ninguém odeia pêlos nem possui nada contra os mesmos, estes representam apenas um detalhe dentro de um esteriótipo na percepção da mente condicionada, na mente que foi alienada da própria natureza. se o esteriótipo é sobre o tamanho dos seios estariamos falando de silicones, assim por diante. esta alienação é resultado da manipulação feita sobre os medos instintivos e que só é eficaz quando há falta de amor-próprio, quando a pessoa busca aceitação aos olhos dos outros antes de si mesma por não ter confiança em sua força. ninguém em verdade se odeia igualmente, é a máscara preconceituosa e hipócrita que veste que o faz, esta sim é severamente auto-destrutiva.

    reparem que em uma discussão destas muitos ignoram o óbvio de que pêlos são parte integrante do sistema biológico assim como unhas e dentes, são necessários ao correto funcionamento do corpo. são responsáveis pela troca eletromagnética com o meio ambiente tanto quanto o canal por onde impurezas no sangue podem ser pescadas para fora do corpo, sua ausência sim denota falta de higiene. alguém aqui acha uma mulher feia por ter longos fios de pêlo anexados à cabeça? acha anti-higiênico? os que acham algo contra pêlos apenas o fazem por imitarem como papagaios o que foram ditos para achar, sinto muito que esta afirmação sincera possa ser motivo de ofensa de alguma forma. assim como os cabelos de uma mulher são belos por serem pêlos, também o são todos os outros estejam estes sob as axilas ou na região pubiana. quem não possui pêlos são crianças, e nesta observação óbvia temos um significado claro de que tipo de personalidade os perpetuadores destes esteriótipos estão cultivando na população, um bando de crianças dependentes sem noção real da vida, prontas para molestar umas às outras. estes mesmos perpetuadores alimentam a população com pornografia e todo o tipo de impurezas que estes mesmos pêlinhos estão ali para filtrar, que monte de coincidências não? governados alheios de sua própria condição. inclusive, o motivo pelo qual a pornografia é uma exibição de controle machista e pedófila disfarçada de prazer reside intrinsicamente no próprio efeito psicológico que se deseja atingir em seu público alvo masculino que sofre exatamente do mesmo abuso, uma contentação submissa. de guerreiros que lutam por sua liberdade os homens foram convertidos à metrossexuais cada vez mais impotentes, algo a se pensar.

    muitos que comentam em discussões como esta estão prontos a defender “sua opinião”, “seu ponto de vista”, “seu gosto e decisão pessoal”, completamente incapazes realmente de perceber que nenhuma destas opiniões é sua própria. isso é resultado da falta de meditação, não de burrice ou incapacidade, é simplesmente outro sintoma da manipulação que criou um mundo inteiro de alienados. reparem como as pessoas tão cheias de opinião própria são tão exatamente iguais: todas buscam ser diferentes, consequentemente que nenhuma age de forma diferente. acham que pintar o cabelo ou tatuar algo na péle as fará diferentes enquanto alimentam as mesmas opniões sobre estética, relacionamentos, politica, economia, sustentabilidade, espiritualidade.. acreditam que a diferença está realmente na máscara que utilizam para apresentar seu corpinho, que esta é sua identidade e opinião própria, mas não é. somente pessoas realmente alienadas teriam qualquer reação ao ver a natureza como ela é, a ter uma “opinião pessoal de gosto ou desgosto” sobre algo tão perfeito assim como é a criação, os pêlos ou qualquer outra parte do corpo humano. a verdade é que sem reflexão sobre qualquer tema, sem um aprofundamento de suas origens e possíveis evoluções, ninguém pode ter opinião realmente. a opinião própria está sempre direcionada à evolução do comportamento a que se destina, nunca em sua manutenção.

    ninguém aqui é obrigado a cultivar pêlos assim como não é obrigado a cultivar unhas e dentes, ninguém precisa deixar o cabelo crescer igualmente. porém, por que alguns pêlos sim e outros não? uma mulher que está pronta a defender os motivos pelo qual depila tão importantes componentes de sua axila e região pubiana deveria se sujeitar uma única vez a raspar sua cabeça para ver que tipo de manipulação realmente está cometendo contra seu corpo, talvez isso a traga um pouco da sensibilidade que foi perdida. que se torne claro aos que ainda dormem que este tema é uma questão de esteriótipos psicológicos, de comportamento escravo premeditado, isto nada tem a ver com estética ou higiene, de forma contrária que seria óbvio lutar pelo direito dos pêlos permanecerem no corpo. infelizmente ainda, este tipo de opção e opinião é um mero detalhe em toda esta ilusão em que os humanos foram condicionados, espero que meus irmãos abram os olhos de uma vez pois há coisas muito mais importantes para se ver.

  23. dsa@dsa.dsa disse:

    Peidar também é natural…

  24. Gustavo Zwart disse:

    Já inventaram depilação a laser, sabiam? O preço já está bem mais acessivel e em algumas sessões o pêlo nunca mais nascerá. Sem mais sofrimento e gastos.

    Ou seja, esse papo de “tortura sem fim” “muito sofrimento quando tira e quando nasce” já tem uma solução.

    Agora, se você deixa as axilas peludas porque se acha mais bonita assim, tem meu apoio em continuar.

    • Heloisa disse:

      que que interessa o teu apoio? impressionante esses pseudo-machinhos punheteiros, acham q tudo q nós fazemos é pra ter apoio de homem. Se enxega, pelo amor. e outra, o suvaco é dela e ela faz o que ela quiser, pelo motivo que quiser, quem é você, HOMINHO, que NUNCA se depilou, pra dar palpite sobre esse assunto??? HAUIHEUAEHEUHEUHEUAHE
      Só falta querer dizer como lidar com o pós-parto e a amamentação?? Já pariu, já amamentou? Já se depilou?? NÃO???? ENTÃO CALA A BOCA!

      • Pedro Metz disse:

        Lógico que vocês não querem o apoio dos homens. São todas lésbicas tribufus!!!

      • Bah disse:

        Quando a gente pensa que já viu todo tipo de imbecil, aparece esses caras.

      • Gustavo Zwart disse:

        Aqui temos um exemplo de feminista radical, imbecil e ignorante.

        Não me conhece e tira comclusões preciptadas e ofensivas.

        Tua postura ridicula alimenta ainda mais o preconceito de que depilação é só coisa pra mulher.

  25. Arlete disse:

    GRATIDÃO!!!
    São MULHERES como você que nos ajudam e MUITO a sermos mais MULHERES, gratidão mesmo. Essa sociedade obrigatória e plastificada sufoca muito, liberdade é fundamental, seja ela para ser natural ou plastificada, o importante é agir conforme suas verdadeiras escolhas…
    GRATIDÃO!
    Paz e bem!

  26. Dayane disse:

    Melissa, parabenizo a iniciativa, pois concordo com vc sobre a liberdade de cada mulher se sentir bem consigo mesma, de sentir-se, enfim, mulher.
    Eu sou adepta da depilação a laser em algumas regiões do meu corpo, por uma necessidade minha – me sentia incomodada com alguns pelos e sempre odiei a tortura da depilação com cera. Mas sou totalmente a favor da desvinculação entre qualquer tipo de padrão da nossa feminilidade. Isso porque ser mulher é sentir-se mulher independentemente de padrões externos. É sentir-se bem consigo mesma, com seu corpo, sua saúde, e não com o isto ou o aquilo que todo mundo acha que tem que ser. Até porque a unanimidade, além de burra, é muito entediante!
    Admiro sua iniciativa porque esta deve ser nossa luta diária e incansável, até que a nossa sociedade e, principalmente as mulheres, tenham consciência de que são naturalmente (e independentemente) mulheres.
    Abs

  27. Suh Giro Nagazake disse:

    Façam protestos por depilação a laser mais barata!
    Tem meu apoio peniano.

  28. Gabriela disse:

    Melissa, obrigada antes de mais nada. Algumas coisas no seu texto são curiosas e esclarecedoras, coisas que eu não sabia :).
    Mas te agradeço mesmo pelo apoio, mesmo não nos conhecemos o que vc fala no começo de que isso pode ajudar mais meninas a serem aceitarem acontece.
    Eu moro em Petrópolis uma cidade pequena onde todos se conhecem e se regulam, então imagine o quão difícil foi pra mim assumir os meus pêlos. Ainda mais no verão e num lugar onde as pessoas são bem retrógradas, mas ler seu texto me deu novo ânimo até porque é uma desconstrução difícil e gradual, afinal o costume da depilação e a pressão por esse padrão estético nos pesa. Enfim, lindo abç

  29. Pedro Metz disse:

    Impressionante como essas feministas odeiam tudo que se refira à feminilidade. São extremamente misóginas

    • Bah disse:

      Os pêlos das mulheres são tão naturais quanto os seus. Da mesma forma que você pode mantê-los, também podemos se assim quisermos e não vai ser isso que vai determinar se somos femininas ou não.
      Não é pq uma mulher se depila que ela feminina, uma coisa não está necessariamente ligada à outra. Informe-se mais.

    • Keks disse:

      Quem disse que não ter pêlos é feminino e tê-los é masculino??

      Aliás, O QUE É FEMININO E O QUE É MASCULINO?

      Misógino é você que está negando algo que faz parte do corpo da mulher, OU NÃO NASCERÍAMOS COM ELES.

  30. crocomila disse:

    demais gente amei!!!! ❤
    tenho um blog de quadrinhos com uma série sobre depilação se quiserem ver: http://crocomila.blogspot.com.br/search/label/depila%C3%A7%C3%A3o
    essa postagem me encheu de idéias pra novos quadrinhos!!!!
    🙂

  31. Priscila disse:

    Bom, eu não gosto de pelos pubianos altos, não gosto de pelos nas axilas e não me importo em tirar o excesso da minha sobrancelha ou depilar as pernas, puramente por uma questão de estética. Sim, nós nascemos desse jeito, mas visualmente me incomoda. Meu namorado se depila também. Acho que num casal, por exemplo, deve haver um consenso e uma mulher e um homem não devem se sentir menos só por fazer algo que agrade o parceiro, como se depilar ou não, por exemplo. Entretanto, também defendo o direito de não optarmos por esse padrão de beleza. Temos que ficar do jeito que nos julgamos mais confortável e temos que nos sentir bem desse jeito. Claro que dependendo das escolhas, vamos sofrer preconceitos, mas fazer o que?! É sendo fiel ao que se acredita que vamos quebrando barreiras e preconceitos modernos. Parabéns, pelo texto. Apesar de me depilar, concordo com o que você diz.

    • Vanessa disse:

      Amei sua resposta Priscila e penso por aí, com pelo ou sem pelo ..ser mulher nessa sociedade machista e patriarcal é viver muitas emoções!!….façam o que acham melhor #ficaadica#

  32. Mari Mari disse:

    Lindo liiiindo post! Dá vontade de colocar uma regata e sair correndo com os braços pro alto! Eu tenho muita vontade de parar de me depilar…No inverno até que dá mas chega o verão e eu me sinto forçada a raspar a perna e a axila…Em curitiba as pessoas são MUITO agressivas no assédio na rua, seja para “elogiar” ou xingar, e eu que já tenho o cabelo pntado de cor fantasia então…já sou um prato cheio para os chatos de plantão…simplesmente não consigo sair de casa sem raspar os pelos 😦 isso me frustra imensamente…

    Obrigada pelo post lindo! ♥

  33. eric disse:

    na gringa, digo alguns países da Europa e talvez Estados unidos, não possuem esses estereotipos de que feministas deixam pêlos crescerem, algumas mulheres simplesmente os deixam e nao as olham como bicho.
    vem ai um fator cultural do brasil em relação aos Indios nao terem pêlos e se banharem constantemente ao longo do dia, ao contrario de alguns paises nórdicos.

  34. Vanessa Cajui disse:

    Sou mulher, e amo sê-lo, mais prefiro estudar todas as leis da metafísica do que tentar explicar as razões de ter ou não ter pêlos…vejo mais um fato de polêmicas do que uma ajuda concreta as mulheres mais…Cada um faz o que quer eu depilo depois ele cresce eu respiro do um tempo e depilo novamente… Abaixo agressividade barata por causa de uns poucos pelos!!

  35. Mateus disse:

    Nao acredito q estou aqui escrevendo sobre um assunto ja tao exaustivamente debatido. Mas vamos lá.
    Saindo do “lugar comum” de dizer q é imposição cultural e blablabla, e outros beneficios superfluos de tao irrelevantes vamos ao pragmatismo. Nascemos nessa epoca, somos contemporaneos em um mundo q acumulou conhecimento pratico e cientifico, artistico. Tudo isso para compreendermos q algumas coisas valem lutar, outras é uma enorme perda de tempo.
    Em outras palavras, ao inves de ficar debatendo o irrelevante do achismo sejamos ao menos coerentes: O salto alto faz realmente mal e aos joelhos, parte fundamental do corpo.
    Quanto ao cerne do post polemico e superficial pense comigo: Qual seu objetivo? Sua satisfação pessoal ou a opinião dos outros? Se a opniao dos outros te importa, seja homens ou mulheres, qual o percentual deles que gosta de pelos? 10% 15 – 20% no max?Ou seja, é melhor mudar a opniao do mundo ou entender, aceitar e seguir em frente? Enfim, é tao banal q nem sei o q dizer. Vamos parar de perder tempo e focar no q realmente importa pq a vida passa rapido.
    Ahh e parafraseando o grande Vinicius:
    “As peludas q me desculpem, mas depilação é fundamental”

  36. Fernanda Nan disse:

    Oi Melissa,
    Adorei o seu texto, ficou muito bem escrito.
    Eu odeio depilação, dói demais, mas eu sempre faço! É algo imposto né? E por mais artigos feministas que eu já tenha lido ou milhares de ideias machistas que eu já fui capaz de me livrar, a da depilação sempre foi algo complicado… É estranho porque se eu ficar sem me depilar e os pelos aparecerem um milimetro, eu fico desesperada. Não é que eles me incomodem para fazer qualquer coisa, mas quando eu os olho, eu entro em panico, sabe? Eu fico pensando que eles não deveriam estar ali e pasme, pode ser um milímetro de pelo, mas eles começam a me incomodar fisicamente, eu fico com irritação na pele, com certeza deve ser atuação do meu psicológico, né?.Aí eu corro para me depilar….
    Confesso que quando eu vi a foto, eu fiquei “Não acredito que essa menina postou essa foto, não creio! Ela é tão linda, como pode?” Depois, eu parei para refleti. “Ela não é mais ou menos bonita se tiver pelos”
    Parabéns pela iniciativa, afinal, nós temos que ser quem nós queremos e parar de acreditar em tudo que é imposto pela sociedade. Com certeza, vou tentar aceitar mais o meu corpo!
    Beijos!

  37. Nia disse:

    A cada post como o seu o mundo fica melhor para as mulheres! Obrigada por compartilhar tanta informação bacana e ajudar a engrossar o caldo contra tantas ditaduras – a dos pelos, da cor do cabelo, do tamanho das unhas e pra mim a pior de todas: a sombrancelha! Porque diabos alguém inventou que toda mulher tem que ter o olha parecido com o do Grinch?? haha
    Beijos!!!

  38. Nia disse:

    espera, o mundo fica melhor para as mulheres e para os homens tbm…

  39. Eduardo disse:

    As Feministas do século passado lutavam pra ter direitos iguais entre homens e mulheres. As Feminisitas do século 21 lutam pra impor o padrão de que mulher de verdade são as que têm o suvaco peludo.

    • Pathy disse:

      Sabe tudo de feminismo, hein homenzinho! (y)

    • Iris disse:

      Não sabe nem ler o texto, vai saber de feminismo? Só rindo mesmo.

    • Isadora disse:

      Eduardo, complicado falar das feministas do século passado comparando-as com as de hoje. Teu comentário nos da a entender que as feministas de hoje deveriam ver as do século passado como exemplos, mas a realidade é que a luta por direitos é uma construção.
      Te dou um exemplo: as sufragistas dos EUA, no início do século XX, lutavam por direitos civis iguais entre homens BRANCOS e mulheres BRANCAS. Não era um discurso de igualdade ampla, tampouco as mulheres se identificavam como minoria.
      É claro que a luta das mulheres do século passado deve ser conhecida e valorizada, mas hoje a sociedade é outra, as demandas são outras, o feminismo cresceu em teoria e em prática e, por fim, só quem pode arbitrar sobre o caráter de um movimento de resistência são aquelas que todos os dias sofrem a opressão à qual se resiste.

  40. Roberta disse:

    Depilo desdos 15 anos , minha mae me ensinou que era mais higienico . Ela tambem me ensinou a nunca depender de ninguem , correr atras dos meus objetivos e ser fiel a minha personalidade e consciencia. Acima de tudo ela me ensinou a ser segura de mim .

    Insegurança é algo que a gnt detecta a quilometros. Já vi varias meninas peludas , que eram tao confiantes de si que ninguem nem questionava ou quando questionavam a simples resposta ” ah eu gosto assim ” barrava qualquer tipo de represália. Entao fica dificil engolir esse papinho de opressao bla bla bla .. A sociedade é muito heterogênea … o que é aceito em um grupo pode ser inaceitavel em outro e mesmo assim todo mundo encontra seus iguais. Tem gente que gosta de “agregar valor ao camarote” neh fazer oq .. A Melissa , por exemplo , parece ter tomado essa decisão apos ler varios textos ( bem enviesados alias ) e chegou a conclusão que mulher adulta tem pelos, entao vai deixar os seus ( exceto o a sobrancelha pelo visto rs ).

    Não me sinto menos adulta , ou menos independente ou menos segura por depilar , usar maquiagem ou salto . Agora tenha certeza Melissa , vc soh tomou essa decisão por ter isso sido igualmente coagida a isso . Não se iluda achando que agora vc é mais livre , mais mulher ou mais interessante por isso .

    • Marcela disse:

      Acho que você não leu o texto todo Roberta… ela não está condenando mulheres que se depilam, mas questiona porquê quem não se depila é tão julgada! O texto é todo sobre o poder de escolha. Eu, por exemplo, escolho me depilar, mas e se eu escolher não fazer mais isso? E se achar melhor não ter axila lisa? Não posso ter essa escolha sem ser apontada na rua e tratada como se fosse menos mulher?
      Os pelos importam muito menos do que o preconceito que a nossa sociedade carrega, e eu fico muitíssimo feliz por ter lido o texto maravilhoso da Melissa!

  41. krisbarz disse:

    Maravilhoso! Como é bom saber que existem pessoas lúcidas, questionadoras, enfim, inteligentes por aí.

  42. cecilia amelia fazzio escanhoela disse:

    No dia em que você tiver problemas maiores para se preocupar, como por exemplo, procurar emprego para alimentar seus filhos, verá o quanto está sendo ridícula e pequena ao querer ser exibicionista e diferente. Os pelos, para seu conhecimento, jovenzinha pretenciosamente metida a culta, existem em grande quantidade nos primatas, por pura necessidade de adaptação climática e são cada vez menos numerosos na atualidade. Ou seja, estão em fase de extinção. E são sim, fonte de proliferação bacteriana. Você pode sim, querer conviver com eles, afinal seu corpo lhe pertence, mas saiba que existem infinitas maneiras de torná-los menos repugnantes. E não tenha o desplante de querer comparar menstruação, situação absolutamente prazerosa, confirmatória da nossa sublime feminilidade, marco maior do nosso poder reprodutivo e maternal, com esse abjeto hábito que tem, em sua prática, uma única maneira de se exibir e ser diferente. Ser igual, sem ser ridícula, é infinitamente superior. Procure se mostrar por suas qualidades..Ah! Me desculpe, se você não tem nenhuma, pare de procurar “pelo” em ovo, e saia em busca de alguma.

    • Alexandre disse:

      Em relação a tudo o q li nesta página, tenho algumas considerações a fazer: em primeiro lugar acho pouquíssimo provável q machismo tenha algo a ver com este debate pueril, a maioria dos homens têm tesão em transar c uma mulher peluda, ainda q fazer sexo oral nessaa circunstâncias possa ser meio desagradável, mas enfim, falei isso para poder dizer q creio ser culpa das próprias mulheres essa busca incessante por mais beleza, sim é verdade que nós homens sempre vamos preferir as mais bonitas às mais feias e esse conceito se cria a partir da experiência, vendo o q está aí fora, mas são as mulheres que capitalizaram em cima do gosto masculino e chegaram onde chegaram, ou alguém acha que foi um homem q teve a ideia de depilar uma mulher? A ideia veio de vcs e foi estimulada tb por vcs. Nós homens continuamos gostando das mais bonitas e é assim mesmo q tem q ser. Ora, se eu posso ficar com a linda e inteligente pq ficar c a feia e inteligente, desculpem mas não vou ficar c a feia. Então as mulheres, competitivas por natureza, entenderam isso e até hj se degladeam. Ou alguém aqui vê mulher chegando em alguém na noite, vê mulher tomando toco e chegando de novo? Não, a mulher não escolhe, ela é escolhida e tanto isso é verdade q não raras as vezes os caras ficam com uma mulher q não olhou p ele. Posso estar enganado, mas qnd uma mulher está peluda, ela se ressente muito mais em sair na rua por conta de outras mulheres e nao por causa dos homens. Nós não ligamos p 90% das idiotices q as mulheres inventam, pra nós só interessa, cerveja, se a mulher não é yma completa idiota e se o que estamos vendo nos dá tesão. Simple as that.

    • Pathy disse:

      “…sublime feminilidade, marco maior do nosso poder reprodutivo e maternal…” HAHAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
      Gente, vocês estão de zoeira com a minha cara né?

    • Iris disse:

      Cecilia, pois pode voltar a alimentar teus filhos que esse teu comentário não acrescentou nada, além da tua triste e extremamente ordinária repulsa pelo corpo feminino, ao qual os pelos pertencem. E “pretenciosamente” (sic) metida a culta é você, que vem falar de adaptação climática evolucionária dos primatas sem o menor fundamento científico. Além de julgar toda pomposa (na internet) alguém que sequer conhece, baseada apenas na sua visão alienada de moral e estética. O texto não ofende ninguém, você ao contrário… Freud explica.

    • Mari disse:

      Minha filha “menstruação, situação absolutamente prazerosa, confirmatória da nossa sublime feminilidade” PRAZEROSA? Tá doida? Sangrar uma vez por mês. ter cólica, dor de cabeça, dor no corpo e ainda se sentir completamente irritável é prazeroso?

    • Marina disse:

      Sua ~sublime feminilidade~ depende do seu poder reprodutivo e maternal?

      Que vida triste.

    • menstruação é situação absolutamente prazerosa? Como eu queria ser mulher agora pra argumentar ao contrário;
      poder reprodutivo e maternal? eu odeio crias;
      e pra finalizar:
      ser igual é infinitamente superior? Não existe superior, isso aí é segregamento pesado e bullying, me matem, por favor.

  43. Talita disse:

    Seu texto e os comentários positivos já conseguiram representar a importância dessa reflexão. Concordo em número e grau com o que o Olavo expôs.
    E viva a diversidade! Obrigada por partilhar com o mundo sua autonomia e assim, fortalecer esses questionamentos, esses condicionamentos, essas amarras sociais.
    Gratidão.

  44. Mulher Mosca disse:

    Negócio é o seguinte, homens: nasçam mulheres, vivam uma vida toda como mulheres, e depois quem sabe (por serem mulheres numa sociedade machista, e isso recair sobre vocês), então passe a ser que possível que enxerguem um palmo além de seus narizes.

  45. Pedro disse:

    Te acho uma gata com esse sovaco peludo, te pegava e ainda lambia ele.

  46. liviabart disse:

    ÓTIMO texto!
    eu escolho me depilar e confesso que acho muito mais bonito uma mulher depilada. Mas acho que mais por costume do que de fato por achar mais estético.
    No inverno consigo ficar sem depilar mais tempo, mas sou professora de Yoga e acho que os alunos não aceitariam muito bem uma professora cheia de pelos. Infelizmente isso é uma realidade. Dependendo da sua profissão, você tem que aderir a certos padrões, como as executivas que tem que usar camisa e salto alto, mesmo não gostando.
    Parabéns pelo texto, pela iniciativa e pela coragem de se mostrar quebrando padrões!

  47. Marco disse:

    comecei a ler o texto meio repgunado pela foto, mas o preconceito foi sumindo e terminei o texto sem entender como eu mesmo pude ter sido tão preconceituoso. Cada um faz o que quer, cacete 🙂

  48. Zuza Zapata disse:

    Eu sou homem e odeio pelos (e tô falando em mim mesmo, tiro tudo, menos da barba). Consequentemente gosto de mulheres sem pelos também, não é nojinho nem nada, só acho estéticamente mais bonito, acho mais gostoso de colocar a boca, enfim. E sobre o odor, pelos absorvem o odor sim. Quando eu tiro os pelos debaixo do braço tenho muito menos odor. Eu só não depilo com cera pq realmente dói pra caralho, mas fico esperando uma solução indolor para me livrar dos pelos. PORÉM, não acho que isso deveria ser uma questão em nossa sociedade (e infelizmente é), como eu não gosto de pelos, tenho amigos que adoram. E sonho com o mundo onde as possibilidades individuais não sejam mais uma polêmica, como você diz: “Eu sou SUPER a favor das possibilidades e das liberdades individuais. Vamos pintar o cabelo de roxo ou raspar a cabeça, fazer plástica, furar o próprio corpo, tatuar, depilar ou não e o que quisermos. Viva! O que me incomoda é apenas a obrigatoriedade da depilação”.

  49. alinecarneiro disse:

    Eu já vi esse texto compartilhado e recompartilhado, e, embora a moça escreva bem, eu preciso dar a minha opinião. Vamos lá: BOBAGEM. Da grossa, mais grossa que qualquer pelo, e explico por que: não raspar o suvaco hoje é o queimar sutiã dos anos 60. Duas atitudes simbólicas tolas que no fim, nada mudam. Já vi feminista defendendo essa coisa de que não raspar cria uma barreira, mas isso funciona para países frios. Num país tropical como o Brasil os pelos acumulam suor e o suor é depositório de bactérias, logo, dependendo de quanto a moça produza suor, logo logo ela vai estar cheirando mal. Desculpe, na cabeça de alguns andar peludo, desconjuntado (para não seguir padrões) e fedendo pode ser sexy, mas pra mim, parece só bobo. Nesse momento, enquanto você lê isso, uma menina é estuprada. Uma mulher sofre violência doméstica. Uma vítima de estupro ou pedofilia é acusada de ser culpada do abuso que sofreu. Isso tudo enquanto você perde seu tempo com uma auto-afirmação tola de que seus pelos no suvaco são a atitude mais feminista do mundo. As moças que queimavam sutiã pensavam igualzinho e justamente por falta de foco, o machismo que cria vítimas fatais continua caminhando a passos largos não no Brasil, mas NO MUNDO. Chega de perder tempo com bobagem e vamos lutar por respeito. Em vez de compartilhar um hairy and proud vamos compartilhar um “de bêbada tem dono sim”. Porque pode acreditar; se você se pega nesse tipo de besteira, só cria polêmica inútil, se foca no que é importante, pode gerar menos discussão, mas gera mais solidariedade e força. Em vez de acusar quem raspa/depila/arranca os pelos de antifeminismo, vamos refletir no que a mulher ainda precisa conquistar para ser RESPEITADA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: