Protesto à Brasileira


Neste domingo, 16 de agosto, centenas de milhares de brasileiros[1] foram às ruas de mais de duzentas cidades no Brasil e no mundo para protestar.

No topo da pauta, o pedido de impeachment (ou renúncia) da presidente da república, Dilma Rousseff e a averiguação do envolvimento do ex-presidente Lula em desvios de dinheiro público e corrupção.

No entanto, alguns fatos marcaram essa demonstração democrática. Por um lado, extremistas de direita feriram a constituição ao pedir uma intervenção militar, enquanto outros carregavam cartazes com um discurso de ódio à Dilma. Felizmente, é uma minoria.

Por outro, os protestos tiveram cara de festa. Com sol e calor em boa parte do país, um alienígena recém-chegado poderia pensar que estávamos no carnaval ou na Copa do Mundo.

Avenida Paulista, em SP, completamente tomada por manifestantes (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)

Amigos se reuniam para selfies, manifestantes fantasiados chamavam a atenção de cima de trios elétricos… O ápice foi a coreografia, criada e executada em Fortaleza.

Foi o necessário para que as viúvas de um governo natimorto abusassem da ironia nas redes sociais, ridicularizando os protestantes. Tudo virou motivo para o deboche, inclusive um manual de boa conduta no protesto. Não foram poucos os meus amigos que compartilharam coisas do tipo, e eu fui gratuitamente ofendido em um grupo de facebook por perguntar a respeito dos protestos.

Em Brasília, boneco inflável do ex-presidente Lula chamou a atenção durante o protesto (Foto: Evaristo Sa/AFP)

Essas pessoas são as mesmas que costumam posar de defensores das minorias, do alto de seus falsos-tronos morais, e isso que mais me enoja. Porque essas pessoas não entendem ou respeitam o Brasil e sua cultura.

O brasileiro comum não ouve Chico e lê Hegel: brasileiro ouve axé, funk, pagode, tecnobrega e lê a coluna de esportes do jornal dominical.

Ao coreografar “Fora Dilma, Fora Lula, Fora PT”, o brasileiro tornou o protesto mais brasileiro do que nunca. Brasileiro é festivo, é sorridente. E dançando também se protesta.

Enquanto o presidente da CUT, Vagner Freitas, conclama seus seguidores a “ir às ruas, entrincheirados, de armas na mão” para defender o governo a qualquer custo, o brasileiro protesta com pau de selfie e coreografia.

Ao se vitimizar, ironizar e dividir o país entre “nós vs. eles”, “ricos vs. pobres”, os governistas apenas inflamam extremistas e incentivam a violência e a intolerância.

Sinceramente, pode me chamar de coxinha. Eu prefiro me misturar a esta gente.

[1] De acordo com a policia militar, 879 mil pessoas se juntaram aos protestos em 205 cidades em 16/ago. De acordo com os manifestantes, eram aproximadamente 2 milhões.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: