Arquivo da categoria: Cidadania

Famosa na internet, Luisa Marilac comenta o mercado de trabalho para travestis e transsexuais

Luisa Marilac ficou famosa em todo o Brasil por seu vídeo caseiro. Em uma piscina e “tomando bons drink”, ela zomba de quem falava mal. O tempo passou, a fama não trouxe os resultados financeiros esperados e Luísa se viu novamente em situação difícil.

Atualmente, Luisa Marilac trabalha como Supervisora de Serviços Gerais em um hotel em São Paulo. Nesta entrevista à Carta Capital, ela comenta a abertura do mercado de trabalho para travestis e transsexuais.

Para quem tem mais interesse, recomendo a leitura do livro “Quem sou eu – Autorrepresentações de travestis no orkut”, de Aline Soares Lima, disponível para download gratuito neste link. Destaco:

Na vida prática de grande parte das travestis e no cotidiano das ruas, o principal palco são as calçadas onde expõem seus corpos como em vitrines para a prostituição. Em trajes sumários e estratégicos, as “bonecas” fazem parte da paisagem noturna dos que trafegam pelas cidades na alta madrugada. Contudo, as imagens da prostituição travesti não são vistas somente por quem transita pelas noites, pois elas chegam também por meio de representações midiáticas e narrativas visuais e orais. (…) Desse modo, a sociedade em geral vai construindo, a partir de representações fragmentadas, um imaginário acerca das travestis, associando-as de um lado aos palcos, à vida artística e ao glamour; e de outro à violência, ao crime e à prostituição. No entanto, a diversão, o prazer e o espetáculo parecem invariavelmente fazer parte de suas vidas.

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

USP testa vacina anti-HIV em macacos – O fim da AIDS está próximo?

Ao longo dos tempos, algumas doenças assombraram a humanidade e foram superadas após grandes esforços da medicina. De todas, a peste negra é a mais marcante, dizimando entre 25 e 75 milhões de pessoas na idade média. Alguns países tiveram de um terço à metade de sua população reduzida pela doença.

Nas últimas décadas, a AIDS se tornou a grande inimiga da humanidade. Enfraquecendo o sistema imunológico, a doença torna os infectados pelo HIV muito mais vulneráveis a doenças como sífilis, tuberculose, etc.

Porém, investimentos maciços têm sido feitos para se encontrar uma vacina que proteja o ser humano do HIV.

E parte dela se faz no Brasil. A USP está em fase de testes de uma vacina anti-HIV em símios, e seus primeiros resultados devem ser anunciados no primeiro semestre de 2014. Da Folha:

Cientistas da Faculdade de Medicina da USP aplicaram ontem em quatro macacos resos do Instituto Butantan a primeira dose da vacina anti-HIV desenvolvida pelos dois centros de pesquisa. Resultados preliminares sobre o potencial de proteção do imunizante saem em abril.

Na fase inicial da pesquisa, os animais receberão três doses da vacina de DNA (uma a cada 15 dias). O material contém informação genética que deve fazer o organismo dos macacos produzir fragmentos do vírus. Espera-se que esses pedaços do HIV sejam capazes de preparar o sistema imune dos hospedeiros para combater infecções.

Na segunda fase do teste, prevista para março, os animais –que têm de dois a sete anos de idade– receberão um vírus de gripe modificado com pedaços do HIV, que tem a intenção de dar um impulso final na imunização.

Depois dessa etapa, se tudo der certo, um segundo teste será feito com outros 28 macacos, num regime diferente de aplicação da vacina.

Os animais não serão injetados com HIV. Para saber se seu organismo produz as células e moléculas necessárias à imunização, pesquisadores vão retirar amostras de sangue dos macacos. No laboratório, o material será exposto a fragmentos do vírus que devem ativar seu sistema imune contra o parasita.

Não é possível submeter os animais vacinados a um desafio direto contra o HIV, porque ele não infecta macacos naturalmente. O grupo já produziu uma versão da vacina contra a variedade símia do vírus –o SIV–, mas o biotério do Instituto Butantan, a céu aberto, não possui o nível de segurança necessário para manipular vírus ativos.

Se algum laboratório de alta segurança se interessar, a USP diz que está disposta a fazer um estudo em colaboração. “Para nós, por enquanto, vai ser suficiente saber que a vacina induz uma resposta potente nos macacos resos”, diz Cunha Neto. “Antes disso, porém, nós já poderíamos fazer testes de segurança em humanos.”

Com fortes investimentos, parece que estamos cada vez mais próximos de ver a solução para este mal. Atualmente, 34 milhões de pessoas vivem com o HIV. Em alguns países da África Subsaariana, mais de 20% da população adulta estão contaminadas com o vírus.

Etiquetado , , , , , , ,

O que você espera do futuro?

Você já pensou o que espera do futuro? Às vezes, as dificuldades do dia a dia tiram nossas esperanças de que o mundo pode ser um mundo melhor.

Lembre-se: pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença.

Produzido pelo pessoal da Colisão Filmes, esse curta metragem vai te emocionar.

Faça a sua parte.

Etiquetado , , , , , , ,

Vídeo mexicano choca o planeta

Em diversos cantos do mundo, pessoas de diferentes origens repetem: “Esse não é o mundo que eu quero deixar para os meus filhos”.

Seguindo essa ideia, o grupo “Nuestro Mexico del Futuro” produziu um vídeo chocante, em que crianças realizam atos que infelizmente já não nos chocam tanto quando praticados por adultos.

Veja:

Etiquetado , , , , , ,

Bebidas alcoólicas vendidas apenas até as 18h e apenas em uma rede de lojas. Bem vindo à Suécia.

Na Suécia, se você pretende fazer um esquenta em casa antes de ir para a balada – e é bom que faça, porque lá as bebidas alcoólicas são caríssimas – você precisa se preparar com antecedência.

Exemplo de uma loja da rede Systembolaget, controlada pelo governo e única autorizada a vender bebidas alcoólicas na Suécia

No Brasil, estamos acostumados a passar no hipermercado a qualquer hora e comprar uma garrafa de vodka sem maiores problemas. Isso quando não se vai a uma loja de conveniència de um posto de gasolina.

Na Suécia, a realidade é completamente diferente. Desde 1955, o governo detém o monopólio da venda de bebidas alcoólicas (com teor superior a 3,5%), através da rede Systembolaget. Isso vem em sequência a uma série de medidas que, desde 1830, tenta controlar o consumo no país. Até mesmo vinhos e cervejas com teor alcoólico superior a 3,5% são vendidos apenas nesta rede.

A Systembolaget conta com mais de 400 lojas em todo o país, mas controla fortemente o consumo. De segunda a sexta, as lojas funcionam apenas até as 18h. Nos sábados, até as 15h. Todos os produtos são vendidos em embalagens individuais (salvo encomenda anterior, sujeita a justificativa plausível). Apenas pessoas acima dos 20 anos de idade podem comprar bebidas alcoólicas (ainda que, em bares e restaurantes, maiores de 18 anos possam ingeri-las).

Além disso, bebidas alcoólicas são fortemente taxadas (progressivamente, de acordo com o teor alcoólico). Vinhos sofrem sobretaxa de 22,08 coroas por litro (pouco mais de R$7); já a vodca é sobretaxada em 200,56 coroas por litro (quase R$70!).

Em um país com pelo menos seis meses de inverno, com pouquíssima luz natural e temperaturas consistentemente abaixo de zero, o alcoolismo poderia ser um problema grave. Porém, o governo controla o álcool e oferece incentivos a exercícios físicos (todas as empresas são obrigadas a pagar uma bolsa-academia de quase R$700/ano a cada funcionário). O que você acha dessa iniciativa? Você acha que ela seria aceita no Brasil? Que efeito ela teria sobre a sociedade?

Etiquetado , , , , , , , , , ,
Anúncios