Arquivo da tag: cidades

Ciclofaixas e a guerra entre modais no trânsito brasileiro

O trânsito brasileiro está se tornando quase tão caótico quanto o indiano, e a guerra entre modais está definitivamente declarada.

Depois dos conflitos entre motociclistas e motoristas, outro veículo de duas rodas chega ao centro da confusão: as bicicletas. Isto porque, nos últimos anos, tem aumentado o número de ciclofaixas (definitivas ou de lazer, que funcionam apenas em fins de semana e feriados) nas principais cidades do Brasil.

Atualmente o Rio de Janeiro é a cidade brasileira com maior malha cicloviária, de pouco mais de 250km. São Paulo e Curitiba vêm logo atrás, e você pode conferir os mapas das ciclovias e ciclofaixas destas cidades clicando sobre elas.

E com isto, o trânsito nas vias atingidas por estes programas, antes tranquilo nos dias de folga, está quase tão ruim quanto em dias úteis.

Trânsito intenso – de automóveis e de bicicletas – na Av. Paulista

Da Folha:

“Já passei mais de uma hora engarrafado entre o Paraíso e a Liberdade e tive que fazer a volta pela Aclimação. Vi até ambulâncias com dificuldade para andar por ali”, conta o tradutor Antonio Leite, 58. Ele diz defender as ciclofaixas, mas “não em vias de trânsito intenso”.

Segundo dados da CET, a Paulista chegou a ter 1,8 km de filas no último dia 11, dois meses depois que a ciclofaixa foi aberta. Quatro domingos antes da inauguração, não foi registrado nenhum quilômetro de retenção na via.

Na região, o ponto mais complicado é na avenida Bernardino de Campos, quando as ciclofaixas da Paulista e da Vergueiro se encontram. Ontem, ciclistas e motoristas chegaram a trocar ofensas em frente à Unip, onde o trânsito era ainda mais complicado por causa da prova da Fuvest.

“Está lotando todo domingo. Claro, eles fecham ruas e tiram uma faixa nossa. Isso enche o saco”, reclamava o veterinário Fábio Resende, 32.

Na avenida Luiz Dumont Villares, na zona norte, a consultora Daniela Antonelli, 40, diz que o trânsito aos domingo parece de dia de semana.

“Se preciso passar por ali, prefiro pegar outro caminho. Quero chegar logo, aproveitar o domingo que passa rápido. É estressante. Já cheguei a dar a volta pela rodovia Fernão Dias”, diz ela.

O fotógrafo e adepto da ciclofaixa Daniel Assis, 31, reconhece que o trânsito piorou aos domingos, mas defende um espaço permanente para as bicicletas -e não só aos domingos e feriados.

“Na Paulista, fica trânsito mesmo. Mas se fosse um espaço permanente, o motorista iria se adaptar.”

Já para Willian Cruz, responsável pelo site Vá de Bike, dizer que a ciclofaixa piorou o trânsito é injusto.

Segundo ele, a lentidão é consequência de um excesso de carros nas ruas.

Desde o governo JK, há 50 anos, o Brasil sempre priorizou o transporte automotivo. Acredito que isto não seja novidade para ninguém. E agora se paga o preço daquela escolha: centenas de quilômetros de engarrafamentos em todas as cidades do Brasil não apenas em situações atípicas, mas no horário de pico de quase todos os dias. É inviável investir apenas nesta vertente: com o crescimento econômico, milhares e milhares de carros novos entram nas ruas anualmente.

O brasileiro se acostumou a andar de carro. Com a dedicação de uma faixa exclusiva para outro veículo (seja ele um corredor de ônibus ou uma ciclofaixa), é comum a repercussão negativa.

Concordo com a opinião de Daniel Assis, favorável a dedicação de faixas exclusivas todos os dias. Os motoristas teriam que se adaptar, escolhendo rotas alternativas – ou optar por outro modal (metrô, ônibus, bicicleta).

Outra notícia, de Nova York:

Em cinco anos no cargo, a superpoderosa secretária de Transportes de Nova York [Janette Sadik-Khan] abriu 450 km de ciclovias, 50 km de corredores de ônibus e fechou várias praças aos carros –a mais famosa delas, a Times Square, tornou-se um grande calçadão.

Reduziu o número de pistas da Broadway pela metade, dobrando as calçadas dos dois lados e espalhando cadeiras e mesinhas.

“Diziam que os lojistas da Times Square perderiam muito dinheiro quando fechássemos a praça ao trânsito, e o contrário aconteceu. A renda do varejo duplicou em três anos, a frequência triplicou, e os pedestres, quando podem circular em paz, acabam gastando mais ali”, explica.

“O espaço para carros e pedestres estava distribuído de forma desigual, havia 70 pedestres para cada dez carros.”

Depois dessa experiência, ela acabou fechando pistas ao lado da Madison Avenue e da Herald Square e transformando parte da Broadway em um semicalçadão. Mais de 50 pracinhas como essa foram criadas em quatro anos.

“Tudo foi feito de forma simples, com mesas e cadeiras baratas. Se desse certo, faríamos algo de longo prazo, com design melhor”, conta, dizendo que as obras definitivas para a nova Times Square começam no final do ano, com projeto dos arquitetos do escritório norueguês Snohetta.

Ela defende a cria: “As ciclovias reduziram em 40% o número de acidentes com ciclistas na cidade. Quando o ciclista precisa se aventurar no meio dos carros, sem proteção, ele é muito vulnerável, como acontece com os pedestres”.

Outra obsessão da secretária é aumentar a velocidade dos ônibus. “Eles precisam ser competitivos com o carro e o metrô.”

Como Sadik-Khan apontou, partilhar a mesma faixa com os automóveis é arriscado. Muitos motoristas se consideram “donos da rua” e não respeitam os pedestres ou ciclistas como deveriam. Ao contrário do que estes pensam, a prioridade sempre é, nesta ordem:

1) do pedestre

2) do ciclista

3) do transporte público

4) do automóvel individual

Mas não é isto que se vê.

E por isto é fundamental separar os ciclistas dos automóveis com faixas exclusivas.

Mas claro que uma mudança como tirar faixas dos carros não pode acontecer sozinha: é preciso investir massivamente no transporte coletivo: colocar mais ônibus nas ruas, e mais modernos, ampliar a malha metroviária das cidades, promover o desenvolvimento regional das cidades (para reduzir o deslocamento em longas distâncias), permitir o transporte das ‘magrelas’ em ônibus, etc.

Você trocaria o carro pela bicicleta para ir ao trabalho/faculdade?

Acha viável investir na malha cicloviária como alternativa aos carros para diminuir os congestionamentos no Brasil?

Será que um dia conseguiremos seguir o exemplo dos holandeses (como se vê no vídeo/documentário abaixo) e substituir o automóvel pelas bicicletas?

Etiquetado , , , , , , , , ,

Sabe qual a cidade mais próspera do mundo?

Adoro os estudos da ONU, e este não ficou devendo em nada.

Em uma análise detalhada dos efeitos das cidades sobre a qualidade de vida das pessoas, tendências regionais e globais, a Organização das Nações Unidas retratou muita coisa interessante. De todas, gostaria de destacar o ranking das cidades mais prósperas do planeta.

Levaram-se em conta cinco categorias, nas quais as cidades receberam notas de 0 a 1: no fim, quem tivesse a maior média ganharia. As categorias são produtividade, Infraestrutura, Qualidade de vida, Sustentabilidade ambiental e, por fim, equidade e inclusão social.

Este tipo de índice desmistifica os fatídicos rankings baseados no PIB, bastante ilusórios se a renda está extremamente concentrada e a qualidade de vida é baixa. Mais dinheiro não necessariamente se reproduz em mais prosperidade (econômica e social).

Entre as dez cidades mais bem colocadas, nenhuma cidade do continente americano. Aliás, apenas uma delas não fica na Europa. Surpresa? Não. Especialmente se olharmos as três primeiras, separadas por apenas um mísero décimo de diferença.

Mas fiquei muito feliz com a grande campeã: sou um verdadeiro apaixonado por essa cidade, e quero muito poder morar lá um dia. Cidade segura, bela, encantadora, de povo elegante e simpático, com uma infraestrutura soberba e diversas oportunidades de lazer, para todos os gostos. Ficou curioso?

Então vamos ao top 10!

10. Paris, França

9. Estocolmo, Suécia

8. Melbourne, Australia

7. Londres, Reino Unido

6. Tóquio, Japão

5. Copenhague, Dinamarca

4. Dublin, Irlanda

3. Helsinque, Finlândia

2. Oslo, Noruega

1. Viena, Áustria

Se quiser ler mais a respeito, o estudo completo pode ser baixado de forma gratuita através deste link. No site da UN-Habitat também tem mais informações bem interessantes, corre lá!

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

São Paulo é a 7a cidade onde é mais caro se alugar um escritório, à frente de Nova York

Segundo a The Economist, São Paulo é a sétima cidade onde é mais caro se alugar um escritório, em uma lista com as cidades mais importantes do planeta. Há um ano, a maior cidade do Brasil ocupava a oitava posição neste ranking.

Em 2011, o metro quadrado médio de um escritório em São Paulo custava aproximadamente US$ 600, e hoje passa de US$ 800. Por outro lado, o ritmo de crescimento dos preços diminuiu em relação ao ano anterior.

A taxa de desocupação subiu: se há um ano apenas 6% dos imóveis deste tipo estavam vazios, hoje são 11,9%.

A cidade mais cara do mundo é Londres, que ultrapassou Hong Kong – agora na segunda posição. Enquanto os preços dos imóveis na cidade chinesa caíram quase 12%, na capital britânica eles se mantiveram praticamente constantes em US$ 1.700 o metro quadrado.

O grande destaque da lista foi Pequim, onde o aluguel médio disparou 45%, levando a cidade à sexta posição. Por outro lado, quatro cidades da Zona do Euro amargaram desvalorização média de 11%. Ainda assim, Paris é a 4a cidade da lista, logo atrás de Moscou.

Veja abaixo a lista completa:

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , ,

Sabe qual a melhor cidade do mundo? Você vai se surpreender…

Surpresa!

Segundo a mais recente pesquisa da divisão de estatísticas da The Economist, a EIU, – Economist Intelligence Unit – em conjunto com o Buzzdata, o melhor lugar do mundo é… HONG KONG!

Isso mesmo, galera. Segundo o novo índice do EIU, que comparou as 70 maiores cidades do planeta, a cidade chinesa conquistou o topo do pódio, completado por Amsterdã e Osaka. São Paulo ficou com a 36a colocação, enquanto o Rio de Janeiro figurou na 42a posição.

Completam a lista das dez melhores cidades: Paris, Sidney, Estocolmo, Berlim, Toronto, Munique e Tóquio.

Para chegar ao resultado, somou-se aos 30 indicadores do índice de melhores cidades para se viver, subdivididos em cinco grandes áreas, uma sexta área, com sete indicadores. Com isto, 75% do resultado final se deve aos já conhecidos Estabilidade, Acesso à Saúde,  Cultura e Ambiente, Educação e Infraestrutura. Para os outros 25%, representando “características espaciais”, foram levados em conta:

– Isolamento

– Espaço Verde

– Poluição

– Conectividade

– Expansão (cidades compactas – mais verticais, no caso – seriam melhores)

– Bens naturais

– Bens culturais

Vocês podem acessar o documento com a metodologia e os resultados através desse link. Esta pesquisa tem um problema SÉRIO: ela não pode ser comparada ao indicador de qualidade de vida já reconhecido internacionalmente, que compara 140 grandes cidades. Isto porque a população mínima das cidades escolhidas excluiu as líderes da pesquisa anterior, como Viena, por exemplo.

Sinceramente, não gostei desse indicador. Enquanto ele não incluir mais cidades, será impossível avaliá-lo plenamente. Outro problema que encontrei foi considerar verticalidade ou proximidade do mar ou de rios – sem observar se estes estão poluídos ou não – como aspectos positivos. E você, o que achou?

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , ,

Cidades planejadas – Um sonho distante?

Do Estadão:

O que faz uma metrópole ser… uma metrópole? Suas ruas, avenidas e vielinhas? Os bancos, o comércio, as igrejas? Os prédios? Va lá, o trânsito? Mais importante ainda, as pessoas, seus moradores? São justamente essas conexões sem muita explicação aparente entre cidadãos e construções, entre dinheiro e oportunidades, entre forma, função e sensação, que fizeram lugares como Londres, Nova York, Tóquio, Sydney, São Paulo e tantos outros florescerem de pequenas vilas em cidades globais – um processo de centenas de anos, que no fundo nunca tem fim.

Será que, além de definir os conceitos de uma metrópole ideal, é possível construir uma do zero, de uma hora para outra, no meio do nada?

Com um investimento de quase R$ 80 bilhões, o governo coreano está tentando responder a todas essas perguntas em um terreno de seis quilômetros quadrados à beira do Mar Amarelo. Ali, a 65 quilômetros de Seul, está sendo erguida a cidade global do futuro, uma metrópole com o que há de mais moderno em tecnologia e noções de urbanismo, onde tudo é planejado para facilitar a vida do cidadão. Trata-se do maior investimento imobiliário privado já realizado. A ideia é criar um novo centro financeiro da Ásia, uma mistura de Paris, Nova York e Dubai, que deve ficar pronta em 2015 com 80 mil apartamentos residenciais, 4,6 km² de escritórios e um parque com 41 hectares.

Songdo quer ser pioneira em absolutamente todos os aspectos. Será uma cidade “verde”, com 40% de sua área destinada a parques e praças. Será a cidade sem trânsito, com todo o sistema viário planejado para aumentar a fluidez, além de altos investimentos em metrô, bondes elétricos e até táxis aquáticos elétricos. As ruas têm sensores no asfalto, que ajudam a entender em tempo real os deslocamentos, aumentar o tempo dos sinais em caso de congestionamentos e até diminuir a iluminação das vias quando ninguém estiver passando, para economizar energia.

Também será uma cidade “wireless”, totalmente conectada – para se ter ideia, até as garrafas de refrigerante vendidas no supermercado terão uma etiqueta eletrônica; depois de usadas, se as garrafas forem jogadas no cesto de lixo correto para reciclagem, o morador ganhará descontos nos impostos.

Mimos. Outras inovações são invisíveis, mas igualmente surpreendentes. A água das residências, por exemplo, será reutilizada na irrigação. Já o lixo, tanto o orgânico quanto o reciclável, será transportado por meio de canos pressurizados, dispensando a necessidade de coleta. A nova metrópole ainda terá outros “mimos”, como uma universidade totalmente tecnológica onde as aulas serão em inglês; uma ponte de 21 quilômetros que liga o centro ao aeroporto; um prédio de 68 andares, o mais alto da Coreia do Sul; um centro de artes que inclui salas de concerto, museus e uma escola de design; um dos maiores clubes de golfe do mundo; e até um hospital que teve o planejamento de empresas como 3M e Microsoft.

Songdianos. “A ideia é ter uma metrópole digital, com o que há de melhor nas outras cidades como Nova York, Dubai ou Londres, mas juntando com o que a tecnologia oferece hoje”, diz o inglês David Moore, um dos diretores de incorporação do projeto. “Songdo será uma cidade global da Ásia, a poucas horas da grandes cidades da região, e não apenas um parque de diversões.”

Apesar da megalomania do projeto, ele já está saindo do papel – algo em torno de 40% da estrutura da cidade de Songdo está pronta e operante. Cem prédios já foram erguidos, ao custo de R$ 10 bilhões. E interessados em virar “songdianos” não faltam: no início da venda dos primeiros 2.600 apartamentos, apareceram quase 21 mil compradores. Já na segunda leva de apartamentos, 25 mil unidades, que somavam R$ 2 bilhões, foram vendidas em apenas um dia.

Songdo parece uma cidade dos sonhos, mas vai mesmo sair do papel.

Você gostaria de morar em uma cidade complemente planejada desde o princípio?

Acha que seria possível fazer algo semelhante no Brasil, possivelmente até contendo o inchaço em metrópoles já existentes? Ou com o tempo esta metrópole virtual se tornaria mais uma Brasília, lotada de cidades-satélite desorganizadas, perigosas e empobrecidas? Aumentaria o fosso social, ou diminuiria?

Cena infelizmente corriqueiras em grandes cidades brasileiras

Pessoalmente, acho que o planejamento urbano é fundamental para evitar desperdícios e caos posteriores. No documentário de 25min do fim deste post, pode-se observar como o mau planejamento comprometeu a cidade de São Paulo.

Ainda há solução para as grandes cidades brasileiras? Há. Mas não é simples, e exige comprometimento da sociedade, dos governantes e investimentos vultosos em reestruturação do que já existe. Não adianta criticar a falta de opções de transporte e desrespeitar os poucos que se arriscam a andar a pé ou de bicicleta, por exemplo. É preciso uma mudança drástica de atitude.

E você, acha que as cidades brasileiras ainda conseguem escapar do caos?

Between Rivers from Caio Ferraz on Vimeo.

Etiquetado , , , , , ,