Arquivo da tag: debate

13 fracassos do governo PT – Finalmente a oposição se manifesta como oposição

Demorou – e muito – para termos uma oposição organizada no Brasil.

Enquanto a imprensa brasileira bajula a equipe econômica dos governos Lula e Dilma e a oposição se preocupava mais em discutir o sexo dos anjos que o futuro do país, eram poucas e solitárias as vozes dissonantes ao discurso oficial em território nacional.

É fato que o governo petista tem grandes acertos, como a organização e recrudescimento dos programas sociais (como o bolsa família e o Prouni). Mas as deficiências crônicas de um governo estadista e loteador de cargos comissionados sempre estiveram presentes, ainda que tenham sido pouco observadas ou comentadas até aqui.

Lá fora, a imagem do país já ruía, com a denúncia de que Mantega era um profissional do jeitinho, pelo Financial Times, ou o pedido da revista The Economist da demissão do ministro da fazenda.

Para a The Economist, se Dilma quer ser reeleita, precisa demitir Mantega

Nesta quarta-feira, dia em que o PT comemorou dez anos de poder e 33 anos de organização partidária em um evento chamado “Do povo, para o povo e pelo povo”, o senador pelo PSDB de Minas Gerais e pré-candidato à presidência da república em 2014, Aécio Neves, leu no plenário um discurso inflamado com 13 interessantes críticas ao governo Dilma Rousseff.

Como o senador Cássio Cunha Lima comentou a seguir, a oposição admite as virtudes do governo atual, mas que ele também tem errado – e muito.

Que essa seja a postura da oposição daqui em diante: organizada e com comentários construtivos para o país. Pois enquanto ninguém apontar as falhas do governo, dificilmente estas serão corrigidas.

Vejam abaixo as 13 críticas expostas por Aécio Neves:

1.    O comprometimento do nosso desenvolvimento:
Tivemos um biênio perdido, com o PIB per capita avançando minúsculo 1%. Superamos em crescimento na região apenas o Paraguai. Um quadro inimaginável há alguns anos.

2.  A paralisia do país: o PAC da propaganda e do marketing
O crítico problema da infraestrutura permanece intocado. As condições de nossas rodovias, portos e aeroportos nos empurram para as piores colocações dos rankings mundiais de competitividade. O Brasil está parado.

São raras as obras que se transformaram em realidade e extenso o rol das iniciativas só serve à propaganda petista.

3.  O  tempo perdido: A indústria sucateada
O setor industrial – que tradicionalmente costuma pagar os melhores salários e induzir a inovação na cadeia produtiva – praticamente não tem gerado empregos. Agora começa a desempregar, como mostrou o IBGE. Estamos voltando à era JK, quando éramos meros exportadores de commodities.

4. Inflação em alta: a estabilidade ameaçada
O PT nunca valorizou a estabilidade da moeda. Na oposição, combateu o Plano Real.
O resultado é que temos hoje inflação alta, persistentemente acima da meta, com baixíssimo crescimento. Quem mais perde são os mais pobres.

5.  Perda da Credibilidade: A Contabilidade criativa
A má gestão econômica obrigou o PT a malabarismos inéditos e manobras contábeis  que estão jogando por terra a credibilidade fiscal duramente conquistada pelo país.

Para fechar as contas, instaurou-se o uso promíscuo de recursos públicos, do caixa do Tesouro, de ativos do BNDES, de dividendos de estatais, de poupança do Fundo Soberano e até do FGTS dos trabalhadores.

Recorro ao insuspeito ministro Delfim Neto, próximo conselheiro da presidente  da republica que publicamente afirmou:

“Trata-se de uma sucessão de espertezas capazes de destruir o esforço de transparência que culminou na magnífica Lei de Responsabilidade Fiscal, duramente combatida pelo Partido dos Trabalhadores na sua fase de pré-entendimento da realidade nacional, mas que continua sob seu permanente ataque”.

A quebra de seriedade da política econômica produzidas por tais alquimias não tem qualquer efeito pratico, mas tem custo devastador.

6. A destruição do patrimônio nacional: a derrocada da Petrobras e o desmonte das estatais.
Em poucos anos, a Petrobras teve perda brutal no seu valor de mercado. É difícil para o nosso orgulho brasileiro saber que a Petrobras vale menos que a empresa petroleira da Colômbia.

Como o PT conseguiu destruir as finanças da maior empresa brasileira em tão pouco tempo e de forma tão nefasta? Outras empresas estatais vão pelo mesmo caminho. Escreveu recentemente o economista José Roberto Mendonça de Barros:

“Não deixa de ser curioso que o governo mais adepto do estado forte desde Geisel tenha produzido uma regulação que enfraqueceu tanto as suas companhias”.

7. O eterno país do futuro: o mito da autossuficiência e a implosão do etanol
Todos se lembram que o PT alçou a Petrobras e as descobertas do pré-sal à posição de símbolos nacionais. Anunciou em 2006, com as mãos sujas de óleo, que éramos autossuficientes na produção de petróleo e combustíveis.

Pouco tempo depois, porém, não apenas somos importadores de derivados como compramos etanol dos Estados Unidos.

8. Ausência de planejamento: O risco de apagão
No ano passado, especialistas apontavam que o governo Dilma foi salvo do racionamento de energia pelo péssimo desempenho da economia, mas o risco permanece.

Os “apaguinhos” só não são mais frequentes porque o parque termoelétrico herdado da gestão FHC está funcionando com capacidade máxima.

A correta opção da energia eólica padece com os erros de planejamento do PT: usinas prontas não operam porque não dispõem de linhas de transmissão.

9. Desmantelamento da Federação: interesses do pais subjugados a um projeto de poder
O governo adota uma prática perversa que visa fragilizar estados e municípios com o objetivo de retirar-lhes autonomia e fazê-los curvar diante do poder central.

O governo federal não assume, como deveria, o papel de coordenador das discussões vitais para a Federação como as que envolvem as dividas dos estados,  os critérios de divisão do FPE e os royalties do petróleo assistindo passivamente a crescente conflagração entre as regiões e estados brasileiros.

Assiste, também, ao trágico do Nordeste, onde faltam medidas contra seca.

10. Brasil inseguro: Insegurança pública e o flagelo das drogas
Muitos brasileiros talvez não saibam, mas apesar da propaganda oficial, 87% de tudo investido  em segurança publica no brasil vêm dos cofres municipais e estaduais e apenas 13% da União.

Os gastos são decrescentes e insuficientes: no ano passado, apenas 24% dos R$ 3 bilhões previstos no Orçamento foram investidos. E isso a despeito de, entre 2011 e 2012, a União já ter reduzido em 21% seus investimentos em segurança.

Um dos efeitos mais nefastos dessa omissão é a alarmante expansão do consumo de crack no país. E registro a corajosa posição do governador Geraldo Alckmin nessa questão.

11. Descaso na saúde, frustração na educação
O governo federal impediu, através da sua base no Congresso, que fosse fixado um patamar mínimo de investimento em saúde pela esfera federal. O descompromisso e as sucessivas manobras com investimentos anunciados e não executados na área agridem milhões de brasileiros.

Enquanto os municípios devem dispor de 15% de seus recursos em saúde, os estados 12%, o governo federal negou-se a investir 10%.

As grandes conquistas na área da saúde continuam sendo as do governo do PSDB: Saúde da Família, genéricos,  política de combate à AIDS.

Com a educação está acontecendo o mesmo. O governo herdou a universalização do ensino fundamental, mas foi incapaz de elevar o nível da qualidade em sala de aula.

Segundo denúncias da imprensa, das 6 mil novas creches  prometidas em 2010 , no final de 2012, apenas 7 haviam sido entregues.

12. O mau exemplo: o estímulo à intolerância e o autoritarismo.
Setores do PT estimulam a intolerância como instrumento de ação política.  Tratam adversário como inimigo a ser abatido. Tentam, e já tentaram por …… cercear a liberdade de imprensa.

E para tentar desqualificar as críticas, atacam e desqualificam os críticos, numa tática autoritária.
Para fugir do debate democrático, transformam em alvo os que têm a coragem de apontar seus erros.

A grande verdade é que o governo petista não dialoga com essa Casa, mantendo-o subordinado a seus interesses e conveniências, reduzindo- o a mero homologador de Medidas Provisórias.

13 – A defesa dos maus feitos:  a complacência com os desvios  éticos.

O recrudescimento do autoritarismo e da intolerância tem direta ligação com a complacência com que setores do petismo  lidam com práticas que afrontam a consciência ética do país. Os casos de corrupção se sucedem, paralisando áreas inteiras do governo.

Não falta quem chegue a defender em praça pública a prática de ilegalidades sobre a ótica de que os fins justificam os meios.

Ao transformar a ética em componente menor da ação política, o PT presta enorme desserviço ao país, em especial  às novas gerações.

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma Verdade Inconveniente: a Discriminação dentro das empresas

A grande maior parte das grandes empresas brasileiras tenta se mostrar inclusiva e contemporânea. Cresce rapidamente o número de empresas que possibilitam a inserção de parceiros de homossexuais nos planos de saúde corporativos, por exemplo, igualando os direitos destes aos de seus colegas heterossexuais.

Parece bonito, não é? Parece.

Mas a realidade “entre quatro paredes” dos escritórios é desoladora: diariamente ocorrem “piadas” e “brincadeiras” misóginas, contra homossexuais e até contra negros (a despeito da regulação expressa da lei 7716/1999 que torna a discriminação racial/étnica passível de reclusão).

Dou exemplos: em uma roda de amigos e colegas ex-alunos da USP (a maior e melhor universidade pública do país), ao perguntar se as pessoas já haviam sido vítimas de bullying nas empresas em que trabalham, ouvi as seguintes frases:

H – Quando eu trabalhava em um grande banco e minha sexualidade “vazou” para todos, rolou um clima bem chato.

H – Meu trabalho antigo foi o meu primeiro no mundo corporativo, e segui a linha de ficar na minha. Mas sem fingir ser o que não sou. Lógico que no médio prazo, as pessoas vão notando, porque quanto todo mundo faz uma roda pra falar de mulher, você não entra ou fica mudo sorrindo. Depois que eu saí, descobri que várias pessoas comentavam mesmo.

Heteronormatividade para fazer parte do grupo: até quando?

H – Sempre achei mais saudável separar a vida pessoal da profissional. Nunca assumi abertamente, mas também nunca neguei. Aos poucos, conforme fiz amizades no trabalho, algumas pessoas ficaram sabendo.
Não sei se chega a ser bullying, mas já passei por uma situação constrangedora. Estava na [empresa X] fazia poucas semanas quando uma colega mal intencionada perguntou, do nada, em alto e bom som no meio do departamento se eu era gay.

H- Uma vez ouvi de longe umas piadinhas meio homofóbicas da minha chefe e de um colega. Meu instinto foi querer falar algo como “Shuuuush aí, pessoal, vamos trabalhar! Piadinha com gay no ambiente de trabalho não!”, mas não tive coragem na hora. Uma vez uma colega que às vezes fazia perguntas pessoais para os outros perguntou se eu tinha namorada e eu respondi que não, mas eu tinha namorado e não falei nada. Se ela tivesse perguntado “você namora”, eu teria ficado nervoso com a pergunta pessoal, acho que o coração ia acelerar um pouco, talvez eu respondesse que sim, talvez eu ficasse calado, talvez eu mudasse de assunto, mas eu não diria que não. Eu sou bem tranquilo quanto a ser abertamente gay, mas ainda tenho dificuldade na hora de sair do armário. Depois que isso acontece eu relaxo. Nós tínhamos uma colega que era de Campinas, morava lá mas durante a semana estava ficando na casa do cunhado nela na rua Frei Caneca. Ela era completamente desequilibrada e uma vez berrou ao telefone: “EU NÃO AGUENTO MAIS ESSE LUGAR CHEIO DE BICHAS E BOIOLAS.” Na hora acho que eu fiquei tão estarrecido que eu não fiz nada, mas depois contei para a minha chefe e, por esse e por vários outros motivos, a avaliação dessa funcionária foi péssima, mas tudo que aconteceu, até onde fiquei sabendo, é que ela foi transferida para Osasco. Alguns dias atrás eu estava passando pelo corredor e ouvi um colega de outro setor falar alto para os colegas dele: “vou fechar aqui a porta, se não o ar-condicionado bicha!”. Fiquei seriamente desconfiado de que tivesse sido comigo, mas não tenho como saber por enquanto. Vou esperar para ver se percebo mais alguma coisa parecida naquele setor, para ver se não era só coisa da minha cabeça…

H – Trabalho numa empresa TÃO homofóbica que, se eu contar os tipos de piadas/comentários que rolam por lá, vocês achariam que é brincadeira. Nada direcionado a mim, mesmo porque ninguém sabe (e acho que nem desconfia), mas às vezes era tão pesado que eu chegava a sair bem triste de lá (falo no passado porque agora realmente aprendi a “me desligar”). Mas o pessoal lá não é só homofóbico, é cabecinha pequena/quadrada em diversos aspectos. Eu fico na minha e não discuto, porque infelizmente curto muito o trabalho em si (caso contrário já teria ido embora faz tempo). Enfim, acho que posso considerar que sofro bullying indireto?

H – Na auditoria, apesar da política da firma (‘Viva a diversidade”), logo quando eu estava para me desligar, houve uma piada sobre gays direcionada à mim, na minha frente e de toda a equipe. Alguns não entenderam, mas eu saquei. Na semana seguinte, na entrevista d desligamento – ñ sai por isso, tinha conseguido outro emprego – eu contei e o RH me sugeriu o denunciar ao comitê de ética. Acabei não fazendo, e sinto que vingança não teria levado a nada… Hj a auditoria em que eu trabalhava é quem audita a empresa em que trabalho… e eu sabia que isso iria acontecer. Por isso, preferi sair quieto,sem fazer barulho, sem nada.

M – No meu trabalho antigo os colegas que se tornaram amigos sabiam, mas no atual o pessoal é bastante homofobico e com a cabeça fechada, dai finjo que tenho um peguete ao invés de uma namorada :/

Isto te ofende? Pois não deveria.

Peço desculpa pela quantidade de depoimentos, mas eu não me senti à vontade para editar ou censurar os comentários destes colegas. São casos comuns, que acontecem por todo o país o tempo todo. O que se faz? NADA.

Este é um assunto bastante polêmico e que muita gente evita comentar. Especialmente o governo, em seus três poderes, que deveria zelar pela população, mas apenas refletindo a pseudomiopia da sociedade brasileira atual. Porque o mesmo que vou denunciar de dentro das empresas acontece nas igrejas, centros comunitários, escolas, universidades, etc etc. Mas se evita falar a respeito. Finge-se que não se vê.

Por quê?

Em parte, por causa da confusão causada pela maciça presença de representantes de entidades religiosas nas câmaras, como eu já analisei neste post. Mas há muito mais em jogo.

Eu sou contra a PLC 122 por definição, por acreditar que isto fere a liberdade de expressão, primordial em uma democracia plena, mas é assustador o apoio que discursos preconceituosos tem em nossa sociedade. Pior: quem se revolta contra isso até se sente errado, como observamos nos depoimentos.

Na minha humilde opinião, o único remédio é denunciar. Não tem jeito. Infelizmente, quem denuncia está sujeito a retaliações posteriores, e é aí que o Estado deveria interferir, mas não é o que acontece.

Afinal, qual a solução para isto?

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Anúncios