Arquivo da tag: eleição

Moderação.

Em tempos de polarização extrema, moderação.

Sei que provavelmente vou decepcionar muitos leitores do Economistinha e boa parte dos meus amigos ao declarar que não apoiarei nenhum candidato no segundo-turno da eleição presidencial.

Enquanto um representa um risco a curto e médio prazo, motivado por um discurso de ódio a minorias e ao establishment político, o outro sequer tentou se descolar da razão deste ódio – o maior escândalo de corrupção da história mundial.

Enquanto um lado é vocalmente misógino, homofóbico e racista, o outro lado tem pouco respeito às instituições democráticas.

Mas foram o #elenao e o #foraPT que nos trouxe até aqui. Afirmar porque não devemos votar em um candidato jamais nos fará avançar.

Eu não apoio qualquer um desses candidatos. Mas posso, e vou, tentar levantar o que há de melhor em cada candidatura, para que possamos responsabilizá-los no futuro.

FILE PHOTO: A combination photo shows presidential candidates Bolsonaro and Haddad

Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) Foto: Adriano Machado e Rodolfo Buhrer/Reuters

Salvo um desastre, Bolsonaro será o próximo presidente do Brasil. Além disto, conseguiu tornar um partido até então irrelevante no estandarte do pensamento de direita do país, com o segundo maior número de cadeiras no congresso e cinco senadores, incluindo o filho de JB, Flávio. Isto deve facilitar seu governo, ao menos a principio, e Bolsonaro deve conseguir apoio a suas idéias no legislativo.

O maior trunfo do candidato é seu viés liberal. Não há dúvidas de que o Brasil precisa de reformas que enxuguem o Estado. O custo para manter a máquina pública é insustentável, e o futuro superministro da economia Paulo Guedes tem conhecimento de sobra para que possamos “arrumar a casa” e sair da crise econômica.

Seu segundo pilar, a seguranca pública, precisa de uma solucao urgente. Sou contrário à flexibilização do Estatuto do Desarmamento, mas o investimento em equipamentos, tecnologia, inteligência e capacidade de investigação das forças policiais é fundamental – verifiquemos que isto de fato aconteça.

Do outro lado, Haddad tem ótimas idéias no âmbito social e de desenvolvimento urbano. Foi sob os governos do PT que milhões saíram da pobreza, que conseguimos reduzir a desigualdade social, racial e de gênero, além de assegurar direitos humanitários básicos, como o casamento igualitário, a Lei Maria da Penha e o fortalecimento do Estado de Bem Estar Social e de seus vetores de proteção social, como o Bolsa Família.

Espero que, independente do resultado final das eleições, consigamos manter políticas de inclusão e, mais importante, o respeito às instituições democráticas. Acima de todas, a constituição e seu Art. 5º:

“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.”

Francis Kinder, o seu Economistinha.

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , ,

Por que mesmo os não-católicos precisam prestar atenção à escolha do novo papa

Está em todos os meios de comunicação. Jornais, revistas e canais de tevê (e agora até o seu blog favorito, o Economistinha) falam da sucessão papal com destaque digno das lideranças das mais importantes nações do planeta. Até agora, só os governos americano e brasileiro mereceram posts específicos aqui no blog.

Mas a escolha do líder político e religioso do menor país do mundo afeta a praticamente todos os habitantes da Terra. Não importa se você é cristão ou não, católico ou não, o papa influencia direta ou indiretamente a sua vida.

A partir de hoje, o mundo finca os olhos no Vaticano à espera da escolha do novo sumo pontífice da igreja católica

Isto acontece porque os católicos ainda são uma parcela extremamente relevante da população mundial: aproximadamente 1,115 bilhão de pessoas, quase um sexto da população mundial. Se você mora na América Latina ou na Europa, boa parte dos seus vizinhos e familiares devem professar esta fé: ainda que tenha caído de mais de 90% na década de 1960 para 64,4% em 2010 (segundo o IBGE), os católicos ainda são a maioria. Em Portugal, quase 80% da população é católica, sendo que pelo menos metade é praticante.

Mas não é apenas isso. Por esse papel como líder religioso de uma parcela tão representativa da humanidade, a fala de um papa repercute imensamente em todos os grupos sociais do planeta. Joseph Razinger, o agora ex-papa, foi um grande exemplo disto.

Seus discursos contra o uso de métodos contraceptivos como a camisinha, contra homossexuais “A igreja classifica os casamentos homossexuais como imorais, artificiais e nocivos”, contra o aborto “Os cristãos devem ser contra decisões judiciais e leis que autorizem o aborto e a eutanásia, considerados pecados graves” e contra a evolução da ciência através de estudos como a clonagem ficaram famosos e são considerados responsáveis por um agravamento nas discussões entre religiosos e liberais.

A escolha do próximo papa dificilmente mudará drasticamente o posicionamento da igreja católica, visto que outras mudanças de postura (como a aceitação do heliocentrismo, por exemplo) levaram décadas e até séculos para se concretizar. Além disto, os eleitores do papa são apenas 115 cardeais, alinhados com os posicionamentos atuais da igreja. Por que acreditar em uma mudança agora?

Uma coisa é certa: em julho, o novo papa virá ao Brasil para participar da Jornada Mundial da Juventude. Como ele será recebido? Será que teremos o primeiro papa negro da história? Quem sabe um papa brasileiro? Aguardemos.

Etiquetado , , , , , , , , ,

Haddad em SP, Fruet em Curitiba: o que muda no país com essa eleição?

A essa altura, todos os brasileiros já sabem os prefeitos de suas cidades a partir de 1 de janeiro (por mais quatro anos). Em Curitiba, por exemplo, após ficar em terceiro em todas as pesquisas de primeiro turno, Fruet virou o jogo e superou Ratinho Jr, do PSC, neste domingo. Em SP, um crescimento ainda mais surpreendente: o candidato petista Fernando Haddad saiu de menos de 10% para sepultar a vida política do ex-ministro José Serra.

Então, o que essa eleição representa?

De maneira geral, gostaria de destacar o crescimento dos partidos de centro-esquerda (frente os de centro-direita). Aquilo que já se havia visto no governo federal continua se estendendo nas gestões locais, e partidos como PT e, principalmente, PSB, cresceram significativamente.

Mais do que o crescimento dos partidos, cresceu uma ideia: a de que é melhor ter um Estado maior, porém mais provedor de serviços à população.

Localmente, vemos o desgaste do PSDB em São Paulo – especialmente das velhas lideranças, representadas por Serra, Alckmin e cia. Em Curitiba, isso já havia se mostrado no primeiro turno: o candidato do governador Beto Richa ficou apenas em terceiro. Mais do que isso, ganhou o candidato em quem Richa não havia acreditado há um ano, gerando a saída de Fruet do PSDB.

Dilma sai muito fortalecida desta eleição, conquistando as prefeituras de Curitiba e São Paulo. As cidades, também: com governos municipais de situação, a chance de maior destinação de recursos para investimentos oriundos de um governo extremamente gastador, mas que tem preferência pelos municípios “amigos”, aumenta.

Eu estou muito contente com a eleição de Gustavo Fruet em Curitiba: um político sério, íntegro, dedicado e atento às necessidades da cidade. Acredito que os próximos quatro anos serão ótimos para a minha cidade. Mais do que isto: estarei vigilante.

E vocês, estão satisfeitos com os prefeitos eleitos nas suas cidades?

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , ,

O que se pode extrair das Eleições 2012?

São Paulo (contribuição de André Vendrami, jornalista e editor do blog Fica Quietinho!)

São Paulo que viveu dias de agonia antes deste 7 de outubro, respira alivado – pelo menos um pouco – depois dos resultados das urnas paulistanas. Diante da possibilidade de Celso Russomano (PRB) chegar à Prefeitura, as estratégias dos concorrentes de primeiro escalão, José Serra (PSBD) e Fernando Haddad (PT), foram, em parte, acertadas na tentativa de derrubar a ascensão do “azarão” durante todo o primeiro turno. O desespero de ambos para passar ao 2º turno era evidente e o clima entre suas equipes de campanha era de muita tensão.

Em partes porque os votos retirados do então candidato do PRB acabaram caindo nas urnas de Gabriel Chalita (PMDB), como uma espécie de aposta dos eleitores em encontrar uma quarta via diante de um pleito em que todos – embora velhos de guerra – se apresentavam como “o novo”. As manifestações da população (como o ato de mobilização “Amor Sim, Russomano Não”, que começou nas redes sociais e invadiu as ruas) também foram pontos importantes nessa cruzada. Russomano que chegou a 35% das intenções, amargou pouco mais de 21% e precisou aceitar a derrota. A capital paulista volta a ter que decidir dentro da velha polarização PSDB X PT.

Nas simulações do 2º turno, José Serra perde em todas para o candidato petista. Até 28 de outubro, os eleitores paulistanos irão enfrentar uma guerra – provavelmente sem modos, dó ou piedade – nas campanhas de ambos os lados. De um lado, Haddad irá explorar o abandono da Prefeitura por José Serra em 2006, quando este deixou o cargo para concorrer à presidência. Também irá se aproveitar da altíssima rejeição do prefeito Gilberto Kassab, herdeiro do trono e principal apoiador do tucano. Já o PSDB irá com tudo para cima do caso do mensalão e do chamado “kit gay”, proposta do petista intensamente criticada durante sua gestão no Ministério da Educação, além da aliança com o PP de Paulo Maluf.

Apostas? Haddad deve ganhar o apoio de Gabriel Chalita – desafeto assumido de Serra – e talvez o de Russomano – que seria melhor não ter -, mas o PRB é aliado do governo Dilma Rousseff e deve seguir a tendência. A presidenta também deve entrar ainda mais na campanha paulistana, ao lado de Lula, Marta e demais figuras, digamos, fortes do PT. Serra deve ficar sozinho – além daquilo que já tem em sua coligação, claro. As urnas devem confirmar as simulações e levar o candidato do ex-presidente Lula à Prefeitura da capital. Vamos acompanhar.

Curitiba:

Contrariando todas as pesquisas de opinião, Fruet superou o atual prefeito e foi para o segundo turno com Ratinho Jr. Três grandes grupos disputavam a liderança da maior cidade do sul do país: o Grupo Massa (SBT local) e a popularidade de um apresentador de um lado, governo federal de outro, governos municipal e estadual de outro. Os dois primeiros seguiram em frente e prometem uma disputa acirrada daqui a duas semanas. Mas a história dessas eleições começou há um ano.

Fruet, então PSDB, queria ser prefeito. Sempre quis. Beto Richa apoiava o seu ex-vice (que herdou o cargo quando o governador foi promovido). Os dois romperam. Fruet foi para o PDT, arrecadou o apoio de Gleisi Hoffman (ministra chefe da casa civil) e entrou na briga. O embate era claro em todos os debates: Fruet e Ducci se degladiaram ferozmente.

Agora, como fica? O ex-prefeito e quarto colocado com 10%, Rafael Greca, deve abraçar a campanha de Fruet. Para PSB/PSDB (e consequentemente, prefeitura e governo estadual), ficará feio assumir qualquer lado. Mas os eleitores de Ducci, mais conservadores, provavelmente migrarão majoritariamente para Fruet. Minha aposta? Fruet leva.

Rio de Janeiro

De um lado, a segurança da pacificação de favelas.

Do outro, a oposição à truculência da polícia na pacificação das favelas.

A eleição do Rio de Janeiro podia ter sido marcada pelas UPPs, mas foi definida pela empolgação dos cariocas com o momento de protagonismo mundial que a cidade vive. Eduardo Paes trouxe a olimpíada, e trocentos caminhões de dinheiro em investimentos com ela. Teve total apoio federal. E ainda tem a final da Copa do Mundo. É, fica difícil lutar contra tudo isso.

No primeiro turno, a disputa foi massacrante: perto de 70% dos votos válidos foram para o atual prefeito.

Belo Horizonte

A disputa em Belo Horizonte significou muito mais que a escolha do próximo gestor do terceiro maior colégio eleitoral do país, foi o confronto direto de poder entre a presidente da república e seu provável opositor daqui a dois anos, Aécio Neves. Patrus Ananias, apoiado por Dilma, tentava desbancar o atual prefeito, Márcio Lacerda – que na última eleição tinha o apoio do PT. A quebra da aliança foi sintoma da briga lá em cima, e a necessidade de segundo turno era incerta até a apuração final.

Em 2012 e em seu curral eleitoral, Aécio levou. Vamos ver o que acontece no Brasil inteiro em 2014…

Porto Alegre

Confesso que não acompanhei bem a disputa na capital sul riograndense, mas José Fortunati mostra que tem sua gestão aprovada pela grande maioria da população. Com pouco mais de 65% dos votos válidos, ele acabou com os sonhos de Manuela D’Avila. O transporte público e a saúde foram os pilares da campanha vencedora. A questão agora é: Será que ele vai cumprir? Fiquem VIGILANTES.

Salvador

Influência do governo federal contra influência dos velhos coronelismos. Em poucas palavras, esse foi o centro da disputa na capital baiana. E é assim que será o segundo turno. Sinceramente, não sei o que pensar.

BRASIL

E para o Brasil, o que essas eleições significaram? São quase 140 milhões de eleitores: um dos maiores pleitos jamais realizados no planeta. Mas em cada parte do país, realidades diferentes se desenharam. O passado e o futuro se confrontam duramente, e sobra sangue para todos os lados.

Candidatos se engalfinharam nas últimas semanas tentando assegurar um lugar no segundo turno nas principais capitais. Semi-famosos, ex-jogadores e sub-celebridades disputaram o espaço na mídia da forma que conseguiram. A maior parte deles apenas conseguiu passar vergonha. Mas nisso eles já são craques. Sem contar a multidão de pastores, padres, tias do doce, joão do posto e semelhantes.

Duas grandes conclusões:

1) O embate PT vs PSDB cansou o eleitor.

O Brasil não quer isso. Estes partidos não são assim tão diferentes quanto afirmam ser, e o eleitor já percebeu isso. E ele cansou da briga vazia, sem argumentos. Ele buscou alternativas, ainda que tenha se desiludido com a maior parte delas. Falta seriedade na política brasileira. Falta comprometimento.  E o eleitor cansou.

2) O brasileiro (ainda) não sabe votar.

Reclama-se veementemente da sujeira na política, mas reelege-se a maior parte dos vereadores. Essa é a realidade em boa parte das cidades brasileiras. Sem contar o alto índice de anulação de votos. Em Curitiba, por exemplo, aproximadamente 15% dos votos para vereador foram anulados, mesmo com mais de 700 candidatos. Será que nenhum deles tinha ideias alinhadas aos eleitores que anularam, ou o eleitor teve PREGUIÇA de pesquisar. É isso mesmo. PREGUIÇA.

Brasil: vamos começar a levar a política mais a sério.

E vamos eleger candidatos com ideias concretas, com valores sólidos e com boa capacidade de gestão.

(Não concorda com o que falei da sua cidade? Ou tá descontente que ela não foi citada? Comenta aí!)

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Programe-se para ver e ouvir os programas eleitorais (ou fugir deles).

Começa amanhã o famoso e já consolidado horário eleitoral gratuito brasileiro.

Além das diversas inserções/propagandas curtinhas, distribuídas ao longo do dia, ocorrerão dois programas diários de meia hora tanto no rádio quanto na TV. Nestes, geralmente, você pode conhecer um pouco melhor os candidatos aos cargos de prefeito e vereador da sua cidade.

No entanto, muita gente detesta estes programas – inclusive eu. É tanto eufemismo e tanta hipérbole que eu me sinto em uma aula de figuras de linguagem. Então, programe-se: ou para ouvir as “propostas”, ou para evitar os contos da carochinha:

Os candidatos a prefeito terão programas às segundas, quartas e sextas-feiras. Os candidatos a vereador ficam com as terças e quintas-feiras. Nos fins de semana, ufa! Folga.

NA TV:

Das 13h às 13h30 e das 20h30 às 21h.

No Rádio:

Das 7h às 7h30 e das 12h às 12h30.

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,
Anúncios