Arquivo da tag: emprego

Descubra os erros fatais em uma entrevista de emprego

Por mais que se tenha um currículo excelente, a entrevista pode derrubar um candidato.

Isso pode acontecer por incompatibilidade de perfis do candidato e da empresa, dia ruim, falta de aptidão à vaga, etc. Normal. Mas em alguns casos, erros do candidato são fatais.

Preste atenção às dicas de especialistas abaixo. Uma boa preparação pode fazer a diferença entre conseguir sucesso e perder uma oportunidade única.

Segundo a CareerBuilder, em texto da Folha:

As principais falhas apontadas por cerca de 60% dos entrevistados são deixar de demonstrar interesse pela vaga, atender o telefone ou mandar mensagens de celular durante a entrevista e vestir-se de forma imprópria. Além disso, falar mal da empresa em que trabalha ou do ex-empregador foi considerado prejudicial por 58% dos recrutadores e não ser capaz de fornecer exemplos concretos quando questionado, por 34%. A pesquisa falou com 2.600 gerentes e 3.900 funcionários americano.

A linguagem corporal também é importante: para 72%, evitar olhar o entrevistador nos olhos durante a entrevista é fatal. Não sorrir em nenhum momento é um erro grave de acordo com 42%, e um número parecido (38%) acha que uma postura ruim também pode custar o emprego. Por fim, é bom prestar atenção até no aperto de mão, já que 28% acham que, se o gesto não demonstrar força, o candidato tem menos chances.

“Uma entrevista de emprego pode ser uma das experiências mais desesperadoras que há, então é importante planejar e treinar”, diz a vice-presidente de RH da CareerBuilder, Rosemary Haefner. Como dica de preparação, ela sugere que o candidato simule uma entrevista com algum amigo, para treinar as respostas tanto de questões esperadas quanto de perguntas surpresas. “Pesquise a empresa antes e pense em respostas que incorporem a sua experiência prévia. Quanto mais preparado estiver, mais difícil será cometer erros”, diz.

A preparação pode ser importante para evitar alguns erros inusitados de candidatos, que foram citados pelos recrutadores que participaram da pesquisa como os mais estranhos de 2012.
Confira alguns:

– O candidato disse que precisou deixar um emprego em um banco porque ele se sentia constantemente tentado a roubar dinheiro;

– O candidato negou que estava com o celular mesmo quando era possível ouvir o aparelho tocando na pasta dele;

– A candidata pegou todas as balas disponíveis em uma jarra na sala do recrutador e guardou-as no bolso;

– O candidato comentou que faria tudo o que fosse necessário para fazer o trabalho – dentro ou fora da lei;

– O candidato abraçou o presidente da empresa;

– A candidata pediu para adiar o início do emprego para poder receber presentes de fim de ano na empresa em que estava.

Etiquetado , , , , , ,

Quatro dicas para a Geração Y decolar em 2013

O fim do ano está chegando e está na hora de olhar para a frente.

2012 acabou, ao menos em aspectos práticos para quem não trabalha no comércio.

Dificilmente algum grande contrato será firmado nas semanas que ainda restam neste ano, e se você está procurando emprego, é hora de pensar na sua estratégia para o início de 2013.

A revista Exame preparou quatro dicas que podem ajudar muitos jovens em início de carreira a saber que caminho trilhar para brilhar no ano novo. Vamos a elas?

1. Escolha de carreira ancorada no seu perfil

Investir em uma nova percepção ao fazer a escolha de carreira é um dos conselhos que Perin considera mais valiosos. “O jovem deve analisar qual é o espírito dele, se é mais empreendedor ou não”, diz Perin.

De acordo com ele, considerar iniciar a carreira em um startup pode ser ideal para quem pretende ser empresário. “Ele vai entender de negócio como um todo, o aprendizado é maior do que em uma grande empresa porque a startup é bem menos engessada”, diz Perin.

2. Atitudes valem mais do que ideias

Criatividade e inovação são aspectos de profissionais de sucesso, mas saber fazer acontecer é igualmente importante. “Os jovens têm um milhão de ideias, mas tropeçam na hora em que são questionados sobre como colocá-las em prática”, diz Perin.

O profissional mais valorizado pelo mercado, lembra Perin, é aquele que sabe colocar em prática as ideias que tem. A dica, de acordo com ele, é manter o foco na transformação da ideia em algo executável e aplicável à realidade da empresa.

3. Menos prepotência

Um dos problemas detectados pelos executivos quando o assunto é o relacionamento com profissionais da geração Y, é o sentimento de superioridade percebido nos jovens, de acordo com Perin.
“Entram com uma prepotência muito grande no mercado, mal chegam à empresa e já querem achar que o gerente ou o diretor não sabe de nada”, diz Perin.

Apesar de rapidez e dinamismo serem a tônica da geração Y, achar que você é melhor do que os outros só vai fazê-lo ganhar inimigos no mundo corporativo. “O jovem não pode achar que vai inventar a roda”, diz Perin.

4. Cultive a inteligência emocional

Um desafio para a geração Y, diz Perin, é lidar melhor com as emoções. “O jovem que tem inteligência emocional tem um grande diferencial no mercado”, diz. Não deixar que problemas pessoais façam com que você perca a produtividade é o conselho de Perin. “É não perder o foco no que deve ser feito”, diz.

Essas dicas parecem banais, genéricas ou óbvias. Não são.

O mercado de trabalho é mais cético e frio que o mundo acadêmico. Os jovens saem das cadeiras das universidades brasileiras cheios de confiança e vontade, mas com pouco tato para a realidade prática. São ansiosos e extremamente auto-confiantes, o que é ótimo, mas também gera muitos problemas de relacionamento.

Ao contrário de jovens de gerações anteriores, os atuais não apresentam o respeito esperado pelos profissionais que tem 15, 20 ou 30 anos de experiência – às vezes, na mesma empresa. Isso gera conflitos importantes, e o jovem precisa entender que muitas empresas possuem estruturas rígidas e burocráticas – que existem há anos, e que até aqui geraram muito sucesso (ou aquela empresa nem existiria mais). Ele precisa pensar: será que bater de frente é assim tão importante para mim? Se for, acho que uma empresa deste tipo não é ideal para ele – por mais que todos afirmem o contrário. Que jovem nunca ouviu sua mãe dizer: “Veja o fulano, tá tão bem, trabalhando naquela multinacional…” Tem jovem com perfil para empresa grande, mas tem outros com perfil para start-ups – e outros que devem abrir sua própria empresa.

Mas além dos jovens, acho que o mercado precisa se adaptar a esses jovens cheios de ideias e vontades, e motivá-los.

O Brasil fica muito aquém de outras nações no que toca a valorizar seus talentos. Os empregos ainda são muito condicionados a formações, e não a competências. A pluralidade ainda é vista como um problema, decorrente da instabilidade. Pois bem, jovens são instáveis, e o papel dos mais experientes é impedir que isso gere problemas. Mas também devem aproveitar a riqueza vinda dessa vivência múltipla, generalista e conectada dos jovens. Os jovens de hoje sabem muito mais de tudo o que acontece no mundo que os jovens de qualquer geração anterior – e isso deve ser aproveitado pelas empresas se querem continuar crescendo.

Espero que em 2013 os jovens sejam mais pacientes e respeitosos. E também espero que as empresas sejam mais flexíveis e contemporâneas.

Etiquetado , , , , , , , , ,

Curitiba é a capital mais desenvolvida do Brasil, segundo FIRJAN; Indaiatuba lidera o ranking geral

Segundo o ranking da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, divulgado nesta segunda-feira, Curitiba é a capital mais desenvolvida do Brasil. A seguir, vêm as cidades de São Paulo, Vitória, Belo Horizonte e Florianópolis. Em 2009, as primeiras colocadas foram São Paulo, Vitória, Curitiba, Florianópolis e Campo Grande, respectivamente.

O índice FIRJAN de desenvolvimento municipal – Edição 2012 – leva em conta os dados de Emprego e Renda, Educação e Saúde de estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.

https://i0.wp.com/exame0.abrilm.com.br/assets/images/2012/9/65698/size_590_%C3%94nibus_BRT_parados_em_esta%C3%A7%C3%B5es_de_Curitiba_PR_.jpg

Considerando-se todas as cidades do país, Indaiatuba, no interior de SP, é a líder do ranking geral, com 0,9486. A seguir, vieram São José do Rio Preto, Itatiba, Amparo, Barueri, Ribeirão Preto, Marília, Louveira, Jundiaí e Paulínia. Todas as cidades do Top 10 ficam no estado de São Paulo.

Veja abaixo a classificação das demais capitais.

Ranking IFDM UF Ranking IFDM
Ano Base 2010
IFDM Emprego & Renda Educação Saúde
Nacional Capitais
25º PR Curitiba 0,9024 0,9126 0,8410 0,9535
32º SP São Paulo 0,8969 0,8718 0,9250 0,8940
36º ES Vitória 0,8927 0,8976 0,8782 0,9024
56º MG Belo Horizonte 0,8756 0,9101 0,8395 0,8773
63º SC Florianópolis 0,8737 0,8939 0,8404 0,8867
83º TO Palmas 0,8644 0,8892 0,8772 0,8268
92º GO Goiânia 0,8610 0,9037 0,7844 0,8950
102º MS Campo Grande 0,8578 0,8729 0,8066 0,8938
123º RJ Rio de Janeiro 0,8501 0,8935 0,8149 0,8417
180º 10º RS Porto Alegre 0,8329 0,8572 0,7589 0,8826
199º 11º MT Cuiabá 0,8292 0,8594 0,7781 0,8499
207º 12º PE Recife 0,8258 0,9126 0,7382 0,8268
244º 13º PI Teresina 0,8181 0,8496 0,7941 0,8107
257º 14º RN Natal 0,8156 0,9017 0,7337 0,8112
292º 15º RO Porto Velho 0,8072 0,9786 0,7148 0,7284
338º 16º PB João Pessoa 0,7987 0,8749 0,6905 0,8305
346º 17º SE Aracaju 0,7978 0,9083 0,6823 0,8027
412º 18º CE Fortaleza 0,7880 0,8795 0,7268 0,7577
443º 19º PA Belém 0,7855 0,8965 0,6752 0,7849
464º 20º MA São Luís 0,7831 0,8028 0,7877 0,7589
596º 21º BA Salvador 0,7697 0,8791 0,6550 0,7750
599º 22º AC Rio Branco 0,7691 0,8237 0,7429 0,7407
606º 23º RR Boa Vista 0,7687 0,8184 0,6962 0,7914
896º 24º AL Maceió 0,7449 0,8140 0,6179 0,8028
1324º 25º AP Macapá 0,7194 0,8380 0,6516 0,6685
1610º 26º AM Manaus 0,7043 0,7170 0,6773 0,7187
A média brasileira do IFDM atingiu 0,7899 pontos em 2010, um crescimento de 3,9% em relação a 2009, mantendo-se na faixa de classificação de desenvolvimento moderado. Os dados refletem não só a recuperação da economia brasileira frente à crise mundial de 2008 e 2009, mas também avanços nas áreas de Emprego & Renda e Educação.
A principal contribuição para a média brasileira partiu da vertente Emprego & Renda. O indicador manteve-se na faixa moderada, mas aumentou 8,6% em apenas um ano, passando de 0,7286 para 0,7914 pontos, como resultado da geração recorde de mais de dois milhões de empregos em 2010. Apesar do significativo crescimento, o IFDM Emprego & Renda avançou em pouco mais da metade (52,2%) das cidades brasileiras, onde foram gerados 75% dos empregos com carteira assinada em 2010, revelando que o mercado formal de trabalho brasileiro ainda é concentrado.
Embora o IFDM seja um indicador que acompanhe o desempenho dos municípios, a divulgação das estatísticas oficiais dos estados também permite a criação de um ranking comparando o desempenho das 27 unidades de federação do país, incluindo o Distrito Federal. Na lista, São Paulo (0,8940 pontos) e Paraná (0,8427) mantiveram as duas primeiras colocações pelo sexto ano consecutivo.
Estados
O grande destaque ficou para Santa Catarina (0,8261), estado que alcançou grau de alto desenvolvimento e assumiu a 3ª colocação, que pertencia ao Rio de Janeiro (0,8230). Em 5º e 6° lugares, aparecem Minas Gerais (0,8197 pontos) e Rio Grande do Sul (0,8190), que também integram pela primeira vez o rol dos estados com alto grau de desenvolvimento. Com essas conquistas, o número de estados com a melhor classificação passou de três em 2009 para seis em 2010.
Na parte de baixo do ranking dos estados, Alagoas seguiu com o pior desempenho: praticamente não evoluiu no IFDM 2010, mantendo-se como o único estado brasileiro com grau de desenvolvimento regular (abaixo de 0,6 pontos): 0,5943 pontos.
Educação
O estado de São Paulo manteve liderança esmagadora no ranking de Educação: dos 100 melhores resultados de 2010, 98 são paulistas, sendo nove com nota máxima (1 ponto): Marapoama, Meridiano, Taguaí, Fernão, Santa Salete, Turmalina, Rubineia, Dolcinópolis, Oscar Bressane (sendo os dois últimos repetindo o desempenho de 2009). Entre os 500 melhores, 486 são paulistas. Na sequência, aparecem os estados de Minas Gerais (26), Santa Catarina (14), Rio Grande do Sul (14) e Espírito Santo (14). Entre os 500 piores resultados nessa vertente, a Bahia segue com o maior número de municípios (191), seguida pelo Pará (68).
(Com informações da FIRJAN)
Entenda melhor o índice assistindo este vídeo.
Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Três cuidados ao trocar de emprego

Trocar de emprego às vezes pode ser uma grande roubada. Mas também pode ser uma decisão fundamental para o seu crescimento profissional, para maior aprendizado, para viver novas experiências, etc.

A Exame selecionou três erros bastante comuns entre pessoas que trocam de empresa. Veja abaixo:

1) Escolha baseada apenas no salário

É a armadilha mais frequente neste tipo de situação. É claro que um salário mais alto enche os olhos de qualquer pessoa, mas tome cuidado antes de se pautar apenas pela perspectiva de engordar a conta bancária.

“Conheço executivos que fizeram a transição pensando apenas na remuneração e não aguentaram 2 meses”, diz o diretor executivo da 4hunter. Segundo ele o dinheiro não paga o desgaste do dia a dia de um trabalho que não supra as expectativas do profissional.

Mike Martins, diretor executivo da Sociedade Latino Americana de Coaching diz ser comum executivos que só levaram em consideração o salário, se arrependerem quando percebem que o trabalho não era o que imaginavam. “Ele entra em crise existencial ao ver que atrasou o seu planejamento de carreira”, diz.

Dica: Não use o salário como único filtro. Muitas vezes uma proposta para receber a mesma remuneração pode ser um bom negócio se você tiver mais chances de crescimento, por exemplo.

2) Ser “seduzido” pelo nome do cargo

Uma plaquinha de gerente ou diretor na porta pode até ser um objeto de desejo, mas também pode ser um tiro no pé. “O nome do cargo não necessariamente reflete a sua expectativa em relação a ele”, diz Ferreira. Martins diz que o é você se dar conta, já sentado na nova cadeira, de que foi “iludido” pelo nome do cargo.

Dica: Lembre-se de que o nome da função é uma formalidade. Antes de aceitar procure saber exatamente quais serão as suas atribuições no cargo e veja se elas estão de acordo com o que você pretende.

3) Não levar em conta a cultura da organização e dos gestores

Não investigar a cultura da organização nem perceber se os valores da empresa ou do seu próximo gestor são parecidos com os seus é um erro comum, na opinião dos especialistas. “Não dá para esquecer de que se trata de uma relação entre pessoas. Juntas, elas constituem a organização”, lembra Ferreira.

” No ímpeto de aceitar a proposta muita gente acaba deixando estes aspectos de lado, e a carreira é uma maratona, não uma corridade de 100 metros”, diz

Dica: “Conhecer a cultura da empresa é de extrema importância para saber se os valores estão alinhados com os seus”, diz Martins. Estudar a missão, a visão e os valores da empresa é uma pesquisa que precisa ser feita antes de aceitar o cargo, na opinião dele, já que a adaptação é sempre complicada. “É uma nova corporação, um novo ambiente, novas pessoas”, diz.

Uma boa estratégia, diz Ferreira, é fazer perguntas ao recrutador e também conversar com quem trabalha ou com quem já trabalhou na empresa. ” A partir disso a pessoa tira as suas conclusões”, sugere.

 

Vamos observar os pontos mais importantes.

Conhecer a empresa em que se vai trabalhar é fundamental, e hoje é muito mais fácil (que há algumas décadas) conhecer a cultura da empresa. Basta alguma pesquisa, conversar com algumas pessoas, e pronto: você se informa. Se ludibriar pelo cargo parece algo cada vez mais distante, também. Agora o dinheiro…

O dinheiro é fundamental para tudo o que fazemos e queremos fazer. É difícil abdicar de um salário atraente. E exatamente aí mora o perigo.

Não se pode esquecer os pontos anteriores quando olhar o salário. Tem que se considerar todos os aspectos da mudança, os riscos inerentes, as possibilidades de crescimento, tudo. E isso não é fácil. Portanto, independente de quão tentadora uma oferta pareça, duas dicas:

1 – Pense bem.

2 – Deixe portas abertas na mudança.

São dicas simples, mas fundamentais para evitar uma grande dor de cabeça lá na frente. Os integrantes da chamada Geração Y (da qual eu e muitos de vocês fazemos parte) é muito ansiosa, e se cansa rapidamente da mesmice. Mas é fundamental manter a paciência quando as coisas começarem a estabilizar.

Nessa hora, você pode se entediar e derrubar a produtividade ou mostrar uma disposição extra para conseguir uma nova oportunidade na mesma empresa (ou até fora dela, se não surgir lá dentro… Por que não?).

Acredite: vale a pena arriscar. 😉

 

Etiquetado , , , ,

Cuide-se! A beleza pode ajudar a sua carreira

Pode parecer piada, mas estudos revelam que pessoas mais bonitas tendem a ter melhores oportunidades profissionais, e não apenas em ramos que exijam apresentação em público.

Um dos principais motivos não é a beleza em si, mas um efeito que ela causa internamente: a elevação da aut0-estima. Segundo palpite do economista americano Daniel S. Hamermesh, escritor do livro “O Valor da Beleza: Por Que as Pessoas Atraentes Têm Mais Sucesso” (Ed. Campus/Elsevier), pessoas mais bonitas tendem a ficar mais confiantes, o que ajuda no sucesso profissional. Mas este não é o único motivo.

Da Exame:

A boa aparência tem outra vantagem: aumentam as chances de outros prestarem mais atenção no que você tem a dizer. De acordo com uma pesquisa da Universidade Rice, dos Estados Unidos, feita com profissionais em busca de um emprego, sinais faciais marcantes, como cicatrizes, distraem os recrutadores e fazem com que eles não foquem no conteúdo do candidato, só em seu aspecto exterior. “Qualquer elemento muito chamativo pesa em uma entrevista”, diz Marcela Esteves, consultora da Robert Half, empresa de recrutamento de São Paulo, que admite se policiar para não cometer injustiça com candidatos menos privilegiados esteticamente.

E o que deve fazer quem convive com a desvantagem da falta de beleza? Relaxe, você não precisa passar horas na academia, no salão de beleza e na clínica de estética para ter sucesso. Para os consultores e headhunters, o que conta mais é o bom e velho charme. “Steve Jobs não era nenhum modelo de beleza, mas sabia envolver com seu discurso. Encontrar a melhor maneira de se portar para encantar os outros é o que realmente vale”, afirma Adriana, da Dasein.

A grande lição não é se preocupar em ter os olhos mais lindos do mundo, mas conseguir transmitir empatia, segurança ou qualquer outro sinal positivo. Isso todos podem fazer, cuidando dos detalhes: no sorriso aberto que você dá quando se apresenta; na maneira como você se levanta para cumprimentar com firmeza; na roupa que você escolhe para participar de uma reunião formal ou para comparecer a um almoço informal. Todas essas atitudes contam pontos a seu favor.

Por isso, é bom tomar muito cuidado com sua atitude. Uma palavra rude, por exemplo, faz mais estragos do que um mau penteado. “Toda a empatia acaba quando alguém transmite arrogância e se mostra desinteressado na fala do interlocutor. Não importa quão bonita a pessoa seja, isso destrói uma primeira impressão”, explica Marcela, da Robert Half.

Obviamente, a aparência, sozinha, não sustenta a carreira de ninguém. “Beleza é apenas mais um dos vários fatores que influenciam o sucesso. Todas as pesquisas mostram que beleza importa, mas somente se estiver ligada a outros aspectos”, diz Daniel Hamermesh. Se você é bonito, considere-se com sorte — apenas.

Portanto, fique de olho na silhueta, na aparência, no corte de cabelo.

Mas não esqueça do conteúdo!

Etiquetado , , , , , , , ,