Arquivo da tag: moeda

Real é a moeda mais desvalorizada em 2012. Entenda o porquê.

Em 2012 a crise europeia se espalhou de vez pelo resto do mundo. Altos e baixos na economia mundial já estavam latentes desde a saída da crise de 2007-9, mas fica cada vez mais claro que esta pode ser a década da grande estagnação mundial. Com o aumento da percepção de risco, é natural que os investidores procurem “portos seguros”, e tendem a fugir dos países considerados mais arriscados. Desta vez, porém, ninguém sabe exatamente que país representa a segurança necessária, e as moedas tem se deslocado de maneira descolada. Vejam abaixo, conforme publicado na Exame:

“O real é a moeda que mais perdeu frente ao dólar em 2012. E disparado. Enquanto muitas das moedas emergentes perderam fôlego frente à moeda norte-americana por conta da aversão ao risco global, o real segue se depreciando na marcha forçada do governo rumo à blindagem falha da economia”, explica o economista-chefe da Gradual Corretora, André Perfeito.

De acordo com os cálculos do economista, o real acumula, no ano, uma desvalorização de 8,08% em relação ao dólar. É um resultado bastante diferente do México, outro país emergente, cujo peso se apreciou 5,93% na comparação com a moeda americana. Para Perfeito, o governo pode ter ido longe demais nas medidas para desvalorizar o real com o objetivo de ajudar a indústria do país.

Eu tendo a discordar parcialmente do economista da Gradual. É claro que as ações do governo no sentido de desvalorizar a moeda tiveram importância (especialmente através da introdução de diversas taxas sobre investimentos externos). Mas na minha opinião, este não foi o principal motivo da moeda brasileira ser, entre as selecionadas, a que mais se desvalorizou.

Perfeito não pôs no gráfico, mas o peso argentino se desvalorizou 6,7% neste ano, menos que o real. Não há como discordar que as medidas de Cristina Kirchner para controlar o câmbio e as reservas foram muito mais contundentes que as de Mantega e Dilma: restrições à compra de moedas estrangeiras, obrigação de prestação de contas por operadoras de cartões de crédito, etc. Ainda assim, o peso se desvalorizou menos. Por quê?

Porque o real tinha sido, antes do agravamento da percepção da crise, uma das moedas que mais tinha se VALORIZADO. O Brasil estava na moda. Os jogos olímpicos de 2016 e a copa do mundo da FIFA de 2014 apresentavam uma perspectiva de elevados investimentos no Brasil, e quem tinha disponibilidade estava ansioso por investir na terra das oportunidades contemporânea.

Brasil: a terra das oportunidades contemporânea? Parece que não.

Mal sabiam eles que o Brasil continua sendo burocrático, corrupto, difícil de operar. Para um investidor estrangeiro, o Brasil é uma selva. Não é fácil investir aqui.

Assim que a percepção de risco se elevou, BAM, eles foram embora. E o real desvalorizou.

E o que vai acontecer daqui para a frente?

Acho que a crise não vai estourar, como em 2008, apenas continuaremos neste marasmo repleto de instabilidade e volatilidade. Se isto se confirmar, é pouco provável que o real desvalorize muito mais. Quem tinha medo do Brasil já foi embora. O Brasil não está mais na moda. Mas é pouco provável uma nova valorização exacerbada, também.

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Como/Quando comprar moeda estrangeira antes de viajar?

Sempre que vamos viajar para o exterior, uma grande dúvida que surge é: Como e quando comprar moeda estrangeira antes de viajar?

Recentemente uma amiga me fez esta pergunta, e eu achei bastante válido fazer um post sobre este assunto.

Primeiramente, você precisa pensar quanto de dinheiro você vai precisar no país que vai visitar, e evite deixar esta reflexão para a última hora.

Vamos começar com a primeira parte: COMO?

Se você vai passar poucos dias, o ideal será levar apenas a moeda estrangeira e o cartão de crédito. Se for passar mais tempo e precisar de mais dinheiro, há duas possibilidades: cheques de viagem e cartões pré-pagos.

Eu sou mais afeito à segunda opção, pois possibilita recargas e, em muitos casos, não tem custos de operação em caso de compras no débito (porém, quando for feito o saque, geralmente há uma tarifa).

A principal vantagem do cheque de viagem é a maior disponibilidade de moedas. As duas opções tem seguro, ou seja, em caso de perda, é só acionar o seguro e você não perderá dinheiro!

Quando for usar o cartão de crédito, lembre-se da tarifa de IOF sobre aquisições no exterior, elevada para 6,38% pelo governo brasileiro.

Outro ponto importante é: que moedas comprar? Se você viaja para a Zona Euro, para os EUA ou até mesmo ao Japão, a resposta é praticamente óbvia: a moeda local. Se for para algum país próximo ao Brasil, como Chile, Peru ou Bolívia, talvez seja melhor comprar aqui mesmo a moeda local. Se for para o Paraguai ou para a Argentina, a instabilidade local faz com que a moeda brasileira ou a americana sejam muito valorizadas, então deixar para trocar dinheiro lá pode ser uma ótima opção.

Para qualquer país europeu ou do norte da África, eu sugiro o Euro, mais facilmente aceito e mais fácil de converter. Para os demais, a moeda americana ainda é a melhor opção.

Agora, a outra pergunta: QUANDO comprar?

Tirando os casos que mencionei em que deixar para comprar a moeda no próprio país, o ideal é antecipar a compra de acordo com a sua disponibilidade. Evite deixar para a última hora. Às vezes a moeda sobe de uma vez.

Também evite comprar tudo de uma vez só. A moeda pode cair no dia seguinte e você vai ficar com peso na consciência. Distribua em três operações, e observe os padrões gráficos. Se a moeda subiu ontem e antes de ontem sem motivos fortes, é possível que ela caia um pouco hoje, para ajustar o valor. Consulte algum amigo que entende um pouco disso antes das operações, se tiver dúvidas.

Depois de tudo isso, fique tranquilo e curta sua viagem!

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Banco Central lança novas notas. Confira!

O Banco Central lança hoje as novas notas de R$10 e R$20. Veja abaixo:

As cores permanecem as mesmas, mas as novas notas tem novos instrumentos de segurança, como faixa holográfica, marca d’água, elementos fluorescentes, números escondidos, partes em alto-relevo, entre outros.

Além disto, as notas agora têm tamanhos diferentes, para facilitar o uso por deficientes visuais. As notas de R$10 medirão 13,5cm por 6,5cm, enquanto as de R$20 medirão 14,2cm por 6,5cm.

A nova família já está por aí, com as notas de R$100 e R$50, que entraram em circulação em dezembro de 2010.

As novas notas já começaram a ser distribuídas em bancos comerciais e caixas automáticos e gradualmente substituirão todas as notas antigas, a medida que estas se desgastem. Não é preciso se apressar, as antigas continuarão sendo aceitas.

As novas notas de R$2 e R$5 chegam só em 2013.

O BC criou um hot site exclusivo com a nova família. Conheça aqui!

Etiquetado , , , , , , , , ,