Arquivo da tag: rio de janeiro

Sorria, você está sendo assaltado!

A exatamente um mês da abertura oficial dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro, a imprensa internacional destaca os problemas da cidade.

Atletas cancelam sua vinda por medo do zika. O governo estadual decreta estado de calamidade pública para receber 2.9 bilhões de reais (a fundo perdido) em verba emergencial do governo federal para pagar salários atrasados e evitar um caos generalizado na saúde e segurança durante os jogos.

16029356

Mas o pior de tudo é a completa falta de segurança. Entre Janeiro e Maio, foram registrados 48.429 roubos de rua no Rio de Janeiro. São 13 por hora, o maior nível em toda a série histórica. Vale a pena conferir o artigo d’O Globo.

De acordo com o jornal Extra, a cidade é cenário de 15 guerras entre quadrilhas. Como uma cidade em plena guerra civil receberá o maior evento do mundo, que representa a paz e união entre povos?

7cb60e94261d050ee22e1aa5f5e6126d

Na última semana, duas equipes de TV tiveram seus equipamentos roubados. Hoje, é destaque o roubo de 9 computadores portáteis de uma arena olímpica. Pior: o roubo foi feito pela própria equipe que seria responsável por fazer a segurança da instalação.

Para as olimpíadas, haverá 85.000 policiais nas ruas, o que deve ser suficiente para evitar arrastões nas imediações das instalações olímpicas e principais pontos turísticos. Mas e depois?

Até quando o brasileiro será tolerante com tanta violência?

E qual a sua causa?

 

Apesar da fama do brasileiro pacífico, é inegável que os níveis de violência no Brasil são assustadoramente superiores a países de igual ou inferior nível de desenvolvimento.

Das 50 cidades mais violentas do mundo, 21 estão no Brasil. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a OMS, o Brasil lidera em número de homicídios.

Acho difícil, se não impossível, achar uma resposta única do porquê dos níveis estratosféricos de violência no Brasil. Cabe o debate, e é assunto para estudos acadêmicos.

24abr2015-cansados-da-rotina-de-assaltos-moradores-da-lagoa-na-zona-sul-do-rio-de-janeiro-decidiram-afixar-mensagens-ao-longo-da-ciclovia-proxima-ao-parque-dos-patins-para-alertar-ciclistas-e-142988

Quanto à tolerância à violência, acumulam-se os casos de ladrões acorrentados ou amarrados por populares, buscando ”fazer justiça com as próprias mãos”. Contra violência, mais violência.

Na minha opinião, isso mostra como a violência está enraizada em nossa cultura. Ela não é apenas do pobre contra o rico, do favelado contra o “cidadão de bem”.

Qual a solução para isso?

Sinceramente, eu não sei.

Só espero que os holofotes olímpicos nos façam discutir esse assunto a fundo – e não apenas esconder o problema sob o tapete (ou atrás de muros).

O que você acha que causa a violência no Brasil? E como resolvê-la?

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , , , ,

Quantas medalhas o Brasil vai ganhar nas Olimpíadas do Rio 2016?

Faltam 500 dias para os jogos olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Pela primeira vez na história as Olimpíadas serão sediadas na América do Sul – a segunda no hemisfério sul.

Este é o maior evento esportivo do mundo, reunindo mais de 10 mil atletas de mais de 200 nacionalidades em busca da maior honra do esporte.

Ainda há muito trabalho a ser feito para que tudo esteja pronto e recebamos o mundo de portas e braços abertos, e nossos atletas sonham em honrar a camisa e a bandeira, chegando ao ponto mais alto do pódio.

O Infostrada Sports, renomado instituto de estatísticas esportivas (que acertou a maior parte dos números para Londres 2012) prevê que os Estados Unidos liderarão o ranking mundial novamente, com 47 medalhas de ouro e 97 no total (menos que o conquistado em Londres, 104 medalhas ao todo).

O segundo lugar será novamente chinês, com 28 ouros e 76 medalhas ao todo, seguida de perto pela Rússia (25 ouros, 74 medalhas ao todo).

A mais expressiva queda será justamente dos últimos anfitriões: após o melhor resultado da história, com 29 ouros, 65 medalhas e o 3o lugar no ranking total, a terra da rainha deve se contentar com o 7o lugar geral (10 ouros, 45 medalhas).

E O BRASIL?

De acordo com o Infostrada Sports, o Brasil deve fazer história. Em Londres 2012, o Brasil foi o 22o colocado, com 3 ouros, 5 pratas e 9 bronzes. Em 2016, no Rio de Janeiro, o Brasil deve ser o oitavo colocado no ranking geral.

Será que Arthur Zanetti consegue repetir sua exibição perfeita de Londres e conquistar outro ouro olímpico?

Ao todo, o país deve conquistar 27 medalhas, sendo 10 de ouro, 14 de prata e apenas 3 de bronze.

Nossas maiores conquistas viriam do vôlei, vôlei de praia, judô, natação, ginástica artística, vela, salto em distância e salto com vara. Também são esperadas medalhas na luta olímpica, boxe, handebol e tênis. Seriam 11 esportes condecorados, superando 1996 e 2012 (com 9 esportes cada).

Aline Ferreira pode dar a primeira medalha brasileira em luta olímpica

E o futebol?

Por enquanto, dados os resultados recentes das seleções masculina e feminina, o Infostrada não nos vê nas fases finais do esporte favorito de muitos brasileiros.

Será que conseguimos mudar isto até lá?

E o que você acha dessas previsões? Será que se concretizam? Comente!

PS: Vale lembrar que o ranking é dinâmico e atualizado periodicamente, de acordo com a performance dos atletas em eventos que antecedem as olimpíadas. Confira o regulamento e o ranking atualizado neste link.

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Volta ao mundo em 80 segundos

Você gosta de viajar? Conhecer novos lugares, explorar?

Então vai amar o vídeo abaixo. A Shutterstock, repositório de imagens e vídeos, criou essa linda montagem para celebrar 2 milhões de vídeos em seu sistema. Fantástico, não?

 

Etiquetado , , , , ,

Tradição e linearidade vs. contemporaneidade e renovação

Neste domingo, finalmente fui passear na região da novíssima Ópera de Oslo (inaugurada em 2008) e fiquei admirado pelos prédios da região. Vejam as imagens abaixo.

Resolvi pesquisar e descobri que aqueles edifícios fazem parte de um projeto chamado Barcode, que por sua vez é integrante do projeto Fjord City (vale a pena ler mais a respeito neste link).

Em linhas gerais, o projeto visa renovar a antiga região portuária e das docas da cidade de Oslo, e para isto foram contratados arquitetos que dariam uma nova funcionalidade à região com edifícios sustentáveis. Isto aumentaria as áreas de escritórios e moradias sem pressionar o meio ambiente do entorno da cidade (por gerar novas regiões utilizáveis em uma região central).

Este projeto lembra bastante o projeto Porto Maravilha, que dará uma nova face à antiga região portuária e das docas do Rio de Janeiro, incluindo a construção de dois museus e uma infinidade de outros edifícios. Já falamos sobre estes projetos aqui ó.

Nos dois casos, há polêmicas que circundam o projeto. No Rio, motoristas estão indignados com a perda do Elevado da Perimetral, que será derrubado como parte do projeto urbanístico. Aqui em Oslo, habitantes e urbanistas criticam a falta de vida na nova região. Além disso, os novos prédios são uma afronta à arquitetura tradicional de uma cidade com mais de mil anos de história.

Não quero tirar a razão de motoristas que levarão mais tempo para chegar aos seus destinos ou de saudosistas noruegueses. Mas o interesse comum deve ser colocado acima de opiniões individuais. O Projeto Porto Maravilha e o Projeto Fjord City são ótimas adições às duas cidades, cada qual com a sua necessidade.

Passei quase dois meses sem ir à região de Bjørvika e a ausência de linearidade não havia sido notada. Sim, quando desci do bonde a impressão foi de desembarcar em uma cidade completamente diferente, mas e daí? Oslo precisa de espaço, precisa de modernidade e é uma importante capital nórdica, uma das cidades mais ricas do planeta. Fomentar a inovação e a expressão artística está enraizado na cultura local, e é admirável o crescimento da cidade.

No Rio, o Porto Maravilha renovará uma região que era apenas ponto de passagem para milhares de pessoas apressadas no coração da cidade. Não se deve priorizar apenas as regiões nobres, tampouco se deve ser necessário expandir os limites urbanos para que desenvolvimento e crescimento ocorram. Reinventar, recriar, redimensionar.

Puerto Madero, em Buenos Aires, e Port Vell, em Barcelona, são exemplos de sucesso de reconstruções de regiões centrais destas cidades.

Etiquetado , , , , , , , , , , , , ,

Novo meio de transporte criado por Musk possibilitaria viagem de São Paulo a Rio em trinta minutos com custo inferior ao trem-bala. Saiba mais

O projeto do trem de alta velocidade brasileiro é uma novela quase tão (ou mais) complicada que o californiano. O sonho de viajar da capital do estado mais rico dos EUA ao Vale do Silício velozmente pela via terrestre é alimentado pelos planos de construção de um trem-bala ligando Los Angeles a São Francisco, mas uma ideia concorrente pode tirar fãs do TAV.

Imagem divulgada pela Tesla Motors mostra o design conceitual do Hyperloop, modo de transporte revolucionário que ligaria cidades a média distância com custos substancialmente inferiores a outras opções disponíveis atualmente, e em menos tempo

Do UOL:

  O feito seria possível se o projeto batizado de “Hyperloop”, idealizado pelo bilionário sul-africano Elon Musk, saísse do papel.  Em um documento publicado na internet na segunda-feira (12), Musk descreve a tecnologia movida a energia solar, cuja base seria um grande tubo de aço onde as cápsulas flutuariam, transportando passageiros a uma velocidade de até 1.200 km/h –a barreira do som está em 1.234 km/h.

Os tubos estariam elevados, instalados sobre pilares, e seu interior estaria a muito baixa pressão, o que permitiria que as cápsulas –ou vagões, se preferirem– se movimentassem suspensos no ar –cada uma das 40 cápsulas teria capacidade para 28 passageiros.

Musk também fez uma estimativa dos custos da fabricação do “Hyperloop”. Segundo esse estudo, US$ 6 bilhões seriam suficientes para construir duas linhas do tubo (uma de ida e outra de volta) entre Los Angeles e San Francisco.

O número contrasta com os US$ 70 bilhões estimados para estender uma linha de trem de alta velocidade que una as principais cidades da Califórnia, um projeto que deve sair do papel em 2029, de acordo com a agência de notícias EFE. Além disso, o custo por passagem no “Hyperloop” seria de US$ 20, um preço muito abaixo de qualquer serviço de transporte público de longa distância nos EUA.

“O Hyperloop é a solução para o caso específico de duas cidades entre as quais há muito tráfego e que se encontram a menos de 1.500 quilômetros uma da outra”, disse Musk. “A viagem seria muito suave”, completou. O empresário disse ainda que considera que, para maiores distâncias, a viagem de avião é a “mais rápida e barata”.

Transferindo a ideia para terras tupiniquins, poderiam-se construir linhas ligando Campinas-SP-Rio, Porto Alegre-Curitiba-SP-BH e Brasília-Goiânia, por exemplo, onde o trânsito de pessoas é intenso. Será que estamos próximos de uma verdadeira revolução no transporte?

Confiram o vídeo preparado pela CBC.

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,