Arquivo da tag: viagem

Governo estuda trem-bala ligando Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília

É isso mesmo que você leu.

O polêmico trem-bala ligando Campinas-São Paulo-Rio nem começou a ser construído e o governo federal já estuda o segundo trem de alta velocidade do Brasil.

Linha que deve ficar pronta até 2020 ligará Campinas, São Paulo e Rio

Além da linha BH-SP-Curitiba, outras linhas já são estudadas pelo governo

 

Da Folha:

Segundo o presidente da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), Bernardo Figueiredo, já se fala em construir trechos ligando São Paulo a Belo Horizonte, Curitiba e Brasília. “Hoje a ferrovia é competitiva porque a tecnologia mudou, é um serviço muito mais adequado [do que rodovia].”

Figueiredo estima que até a sexta-feira será publicado o edital para contratar o concessionário que vai operar do primeiro trecho de trem de alta velocidade brasileiro, mais conhecido como trem-bala, ligando o Rio de Janeiro a São Paulo e a Campinas.

“A informação que a gente tem é que a área técnica do TCU [Tribunal de Contas da União] já se pronunciou. É possível que a decisão [do TCU] seja na quarta, e o edital saia na sexta”, informou o executivo após palestra na Câmara Americana de Comércio.

A expectativa era de que o edital fosse publicado nesta segunda-feira (26), mas as mudanças feitas no edital, que precisam ser avaliadas pelo TCU, adiaram a sua publicação. (…)

A construção do trem bala Rio-São Paulo será feita em duas etapas, já que o governo não conseguiu que as empresas operadoras se entendessem com as construtoras da via por onde passará o trem.

Segundo Figueiredo, é possível que o governo tenha que construir a linha que ligará as duas cidades, ou fazer uma PPP (Parceria Público-Privada). “Pode ser uma obra pública, uma concessão ou uma PPP”, disse.

A EPL vai desenvolver em 2013 um estudo para definir o modelo e reduzir os riscos de quem construirá a linha, demonstrando a viabilidade comercial do trecho. A ideia é licitar a obra, que poderá ser tocada até por dez empresas, em 2014.

“Em 2013 a gente faz o projeto, porque tem uma discussão sobre o custo e o risco da obra”, disse o executivo. “Vamos fazer um projeto detalhado para não restar duvidas de custo e do risco que ela envolve, e a ideia é licitar no primeiro semestre de 2014.”

O prazo para entrega da obra pelo governo para os concessionários que ganharem a operação será 2020, segundo o edital ainda não publicado. Figueiredo prevê, no entanto, que é possível antecipar o fim da obra para 2018 –quando começaria a operação do trem-bala.

A obra da via que ligará Rio a São Paulo custará cerca de R$ 27 bilhões e a previsão é de que dure cinco anos.

Figueiredo disse, sem dar detalhes, que já se pensa em voltar a construir trilhos no país. Dia 8 será inaugurada em Sete Lagoas (MG) uma fábrica de locomotivas. “Se você criar escala, há condições delas [fábricas para o setor] surgirem. Vai acontecer o mesmo com vagões”, disse.

Figueiredo não deu muitos detalhes do novo TAV brasileiro nessa entrevista, mas a ideia de outras linhas de alta velocidade não é recente. Em notícia de 2008, o Estadão mostrou que o governo já adicionara o trecho BH-SP-CWB no plano nacional de viação, ainda que sem determinar prazos de construção.

Além deste, outros dois trechos já entraram nos estudos: Campinas-Uberlândia (passando por Ribeirão Preto) e Brasília-Goiânia (com parada única em Anápolis).

Vejo dois pontos muito claros quanto a construção de trens de alta velocidade no Brasil, um positivo e um negativo.

Por um lado, estas obras são caríssimas (para o Estado) e não proporcionam o deslocamento da grande população (porque as passagens são quase tão caras quanto passagens aéreas tradicionais e mais caras que as promocionais).

Por outro lado, o TAV é mais rápido que avião (considerando tempo de deslocamento até o aeroporto, check-in, embarque e desembarque), compete em pé de igualdade com ele e consegue deslocar mais passageiros por viagem. Isso reduziria drasticamente um problema grave do Brasil atualmente: a lotação dos aeroportos. O TAV desafogaria os principais corredores aéreos, abrindo espaço para novas rotas e aumentando a integração nacional.

Por isto, acho válido o massivo investimento nesta forma de transporte, porém acho que deveria-se aproveitar para construir trens de baixa velocidade nas mesmas rotas para transporte econômico (ainda que lento) como alternativa ao transporte rodoviário (tanto para passageiros quanto para carga).

E você, o que acha dos projetos de trens de alta velocidade?

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Como conseguir o imposto de volta em compras feitas no exterior?

Uma das melhores coisas de viajar é poder fazer compras.

O Brasil é caro, e todos sabemos disso. No exterior, produtos eletrônicos, roupas, etc têm preços muito mais atrativos, e vale a pena segurar o ímpeto consumista se você está planejando uma viagem para daqui a alguns meses – e deixar para comprar TUDO lá fora. Especialmente porque é possível receber de volta o imposto sobre o valor agregado, o IVA! Sabia disso?

Mas fique atento: não é todo destino que permite isso: nas Américas, consegue-se o retorno do imposto em viagens ao Chile, à Argentina e ao Canadá – nos EUA, consegue-se o reembolso do “Sales Tax” apenas em Oregon e Louisiana. Na Europa, toda a União Europeia faz parte deste programa.

SAIBA COMO:

1) Verifique as regras antes de sair do Brasil e viaje com o passaporte, mesmo para o Mercosul. Há países que estabelecem um valor mínimo de compra por loja e por Nota Fiscal para ter direito ao reembolso. E não é permitido juntar várias notas fiscais de uma mesma loja para chegar ao valor mínimo.

2) O reembolso só é aplicável, na maioria dos casos, para bens produzidos no país, ou seja, se comprar bens importados e nacionais na mesma loja, peça para que sejam faturados separadamente, em dois cupons fiscais. Informe-se.

3) Na loja, verifique se há a logomarca “TAX FREE SHOPPING”. Caso positivo, ao realizar a compra, solicite seu “Cheque de Reembolso – Global Refund Cheques”. O funcionário da loja irá orientá-lo sobre os procedimentos. Se a loja não for filiada ao programa de reembolso, não insista, pois não há obrigatoriedade. Atenção: Guarde junto sua(s) Nota(s) Fiscal(is) Original(is), que poderá ser exigida pelas autoridades brasileiras.

4) Após realizar seu check-in internacional, dirija-se ao guichê da Alfândega e apresente os bens (compras), juntamente com seu passaporte, para que os oficiais Alfandegários carimbem seu(s) “Cheque de Reembolso – Global Refund Cheques”. Informe-se bem sobre os procedimentos e localização dos postos de atendimento dentro do aeroporto. Se você for fazer uma escala, provavelmente será em sua última parada que acontecerá o reembolso (quando voltava de Portugal para o Brasil no fim do último ano, como tive escala em Roma, tive que fazer este trâmite apenas na Itália).

5) Para receber a devolução, escolha uma das seguintes alternativas: a) Em dinheiro, diretamente em um dos balcões de Reembolso; b) Cartão de Crédito, onde o valor vai diretamente para seu cartão; c) Transferência Bancária, onde o crédito vai diretamente para a conta bancária indicada; d) Cheque Bancário Internacional “geralmente em dólar ou moeda do país local”, enviado posteriormente para o endereço solicitado pelo usuário. Em qualquer dos casos, verifique as taxas. O depósito em conta corrente costuma ser tarifado.

6) Informe-se sobre os valores mínimos por compra em cada país. Estes rodam em torno de US$ 100 na maior parte dos países, mas é sempre bom se informar. Não adianta juntar várias notas fiscais da mesma loja para completar o valor mínimo – ele é computado por aquisição.

É isso! Boa viagem e boas compras!!

(Post com informações do Diário de Consumo)

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

O turismo de compras para Buenos Aires ainda vale a pena?

A Argentina é um dos destinos internacionais favoritos dos turistas brasileiros. E os comerciantes e especialistas de lá sabem disto. O turismo é uma máquina de fazer dinheiro no país atualmente. Soma-se a isto a crise política, social e econômica que nossos hermanos enfrentam e o resultado é claro: os preços das atividades turísticas sobem.

Do UOL Economia:

“Vai para a Argentina. Vale a pena, tudo é mais barato. O real vale mais que o dobro do peso”. Certo? Mais ou menos. A indicação que muitos viajantes já deram para amigos e conhecidos fazia mais sentido há alguns anos, quando a inflação argentina não avançava tanto sobre os preços locais.

Segundo o governo, o índice anual em 2011 foi de 9,5%, mas os dados oficiais são constantemente questionados pela população e pela oposição. Ano passado, de acordo com pesquisas de consultorias divulgadas por parlamentares opositores, a inflação ficou em 22,8%.

Por isso, mesmo com R$ 1 valendo 2,3 pesos, de que adianta provar um dos sorvetes mais famosos do país, na rede Freddo, pagando 19 pesos (R$ 8,25) por um copinho? Ou ir a um show de tango acompanhado de um jantar (programa muito procurado por turistas na cidade) ao custo de 600 pesos (R$ 260,50)?

Entre janeiro e setembro deste ano, o preço de uma caixa de alfajores Havanna, com 12 unidades, subiu quase 20%, indo de R$ 25,2 para R$ 30. Um show de tango com jantar em San Telmo (no El Viejo Almacen) também ficou 20% mais caro, passando de R$ 216,50 para R$ 260,50 por pessoa.

No bairro de Villa Crespo, em uma das lojas da Calle Murillo, onde estão concentrados os estabelecimentos supostamente mais em conta para a compra de roupas, calçados e acessórios de couro, uma jaqueta básica masculina ou feminina que custava 780 pesos (R$ 338,90) no início do ano hoje vale 1.080 pesos (R$ 469,25), alta de 38,46%.

Uma caneca da personagem de quadrinhos Mafalda, vendida na Calle Florida, teve um salto de quase 50% e passou de R$ 6,50  para R$ 9,50.

Muitos preços já não parecem tão diferentes daqueles encontrados em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, onde o custo da diversão também não é baixo. Andar de táxi é outro item que já não vale mais tanto a pena como há algum tempo.

Em janeiro deste ano, a bandeirada diurna de 7,30 pesos (R$ 3,17) era convidativa para quem se cansava de andar pelas quadras de Buenos Aires. Mas em julho houve um aumento de 12%, que elevou a tarifa para 8,20 pesos (R$ 3,56), e em outubro haverá um novo reajuste de 12%, para 9,10 pesos (R$ 3,95), quase o mesmo que os R$ 4,10 da bandeirada na capital paulista, mas ainda abaixo dos R$ 4,70 cobrados no Rio.

Portanto, pense duas vezes antes de viajar à capital argentina atrás de grandes ofertas. E programe-se para gastos eventuais.

 

Etiquetado , , , , , , , ,

Como/Quando comprar moeda estrangeira antes de viajar?

Sempre que vamos viajar para o exterior, uma grande dúvida que surge é: Como e quando comprar moeda estrangeira antes de viajar?

Recentemente uma amiga me fez esta pergunta, e eu achei bastante válido fazer um post sobre este assunto.

Primeiramente, você precisa pensar quanto de dinheiro você vai precisar no país que vai visitar, e evite deixar esta reflexão para a última hora.

Vamos começar com a primeira parte: COMO?

Se você vai passar poucos dias, o ideal será levar apenas a moeda estrangeira e o cartão de crédito. Se for passar mais tempo e precisar de mais dinheiro, há duas possibilidades: cheques de viagem e cartões pré-pagos.

Eu sou mais afeito à segunda opção, pois possibilita recargas e, em muitos casos, não tem custos de operação em caso de compras no débito (porém, quando for feito o saque, geralmente há uma tarifa).

A principal vantagem do cheque de viagem é a maior disponibilidade de moedas. As duas opções tem seguro, ou seja, em caso de perda, é só acionar o seguro e você não perderá dinheiro!

Quando for usar o cartão de crédito, lembre-se da tarifa de IOF sobre aquisições no exterior, elevada para 6,38% pelo governo brasileiro.

Outro ponto importante é: que moedas comprar? Se você viaja para a Zona Euro, para os EUA ou até mesmo ao Japão, a resposta é praticamente óbvia: a moeda local. Se for para algum país próximo ao Brasil, como Chile, Peru ou Bolívia, talvez seja melhor comprar aqui mesmo a moeda local. Se for para o Paraguai ou para a Argentina, a instabilidade local faz com que a moeda brasileira ou a americana sejam muito valorizadas, então deixar para trocar dinheiro lá pode ser uma ótima opção.

Para qualquer país europeu ou do norte da África, eu sugiro o Euro, mais facilmente aceito e mais fácil de converter. Para os demais, a moeda americana ainda é a melhor opção.

Agora, a outra pergunta: QUANDO comprar?

Tirando os casos que mencionei em que deixar para comprar a moeda no próprio país, o ideal é antecipar a compra de acordo com a sua disponibilidade. Evite deixar para a última hora. Às vezes a moeda sobe de uma vez.

Também evite comprar tudo de uma vez só. A moeda pode cair no dia seguinte e você vai ficar com peso na consciência. Distribua em três operações, e observe os padrões gráficos. Se a moeda subiu ontem e antes de ontem sem motivos fortes, é possível que ela caia um pouco hoje, para ajustar o valor. Consulte algum amigo que entende um pouco disso antes das operações, se tiver dúvidas.

Depois de tudo isso, fique tranquilo e curta sua viagem!

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Como planejar a sua próxima viagem?

PLANEJAMENTO.

Aí começa o sucesso da sua viagem.

O feriado ou as férias chegando e você pensa: o que eu vou fazer? Muitos tomam a decisão de viajar. Se você não tem dinheiro para jogar fora, é melhor se planejar bem.

1) Para onde ir?

É a primeira coisa na qual as pessoas pensam. Mas não deveria ser. Essa decisão tem que ser condicionada a outra pergunta, então…

0) Quanto eu quero/posso gastar?

Esta tem que ser a primeira pergunta a se fazer. Se o feriado está a dois dias e você não tem mais do que R$500 na conta, não adianta querer ir para a Disney. Você vai se endividar e gastar MUITO MAIS do que precisaria. Se você realmente quer conhecer o Mickey, planeje-se para uma próxima oportunidade. Comece a economizar já, e mire alguma data lá na frente. Neste post ajudamos você a economizar e organizar suas finanças.

Mas ok, você não se planejou e decidiu viajar no próximo feriado… Veja quanto você pode gastar sem prejudicar suas finanças, EVITE qualquer pagamento com juros e muito cuidado com o cartão de crédito – se você não pagar em dia, os juros são ABSURDAMENTE altos.

O comprometimento financeiro será grande. Vamos ver no que você vai gastar:

2) Como eu vou gastar?

Para cada um dos itens a seguir, você tem que prever – com base em alguma pesquisa, de preferência – quanto irá gastar por dia.

– Passagens aéreas ou de ônibus/Combustível;

– Alimentação;

– Hospedagem;

– Seguro de viagem (para viagens internacionais, é fundamental fazer um);

– Transporte no local (taxis, transfers, metrô/ônibus, etc);

– Passeios e programas (museus, parques, city tours, etc);

– Compras (sim, você precisa planejar até quanto pode gastar em compras. Isso inclui souvenirs, presentes, roupas, etc);

– IMPREVISTOS. Pode parecer bizarro prever o imprevisto, mas o ideal é fazer previsões conservadoras em cada item e considerar que podem acontecer coisas que você não antecipou. A forma mais fácil é aumentar um percentual no total: 10%, se você for muito meticuloso, 20% ou 30%, se você for meio bagunçado. Eu, em geral, acrescento 20% ao total. E lembre-se: quanto mais longa a viagem, maior a incerteza.

3) O que eu pretendo fazer?

É importante ter um planejamento do que você pretende fazer e conhecer no lugar a visitar. Se você for a NYC e gostar de museus, o Metropolitan é parada obrigatória. Mas se você prefere o teatro, não poderá deixar de ir a um espetáculo da Broadway – por exemplo.

Tem gente que gosta de planejar tudo nos mínimos detalhes, inclusive com horários para cada atividade. Eu prefiro deixar um pouco mais livre, com um conjunto de atividades por dia, mas apenas como sugestões. Algumas dicas, porém, são importantes:

Planeje por região. Se você puder reunir atividades e passeios por proximidade, você economiza tempo de deslocamento e dinheiro com transporte, itens valiosos em uma viagem. Na internet você encontra o endereço de todas as atividades previstas, coloque como pins no google maps! Aí fica mais fácil se organizar.

– Preste atenção a dias e horários de abertura. Na minha viagem ao Chile, por exemplo, não observei que boa parte dos museus do país fechavam em feriados e não pude visitar a casa de Pablo Neruda em Valparaíso por pura distração. Evite incômodos como este ao se PLANEJAR.

Evite incômodos como este: planeje seus passeios com antecedência!

Estas são as principais dicas para garantir que sua próxima viagem seja tranquila, divertida e proveitosa. Como vocês viram, planejar é a palavra de ordem. Assim você evita dores de cabeça na hora que você chegar lá. E isso é importante mesmo se você se render a uma agência de turismo: sempre há dispêndios que não são cobertos pelo pacote: tenha atenção! Espero que tenham gostado, e boa viagem!

Etiquetado , , , , , ,