Arquivo da tag: vida

25 coisas para fazer antes dos 25 anos. Ou 26, 27, 28…

Hoje é o aniversário do Economistinha mais querido de vocês: EU.

Haha e no dia que eu completo 26 primaveras (ou outonos, dado que estou no hemisfério norte), gostaria de compartilhar essa divertida lista, primeiro publicada no Thought Catalog.

Se você não completou-a antes dos 25, não tem problema. Vá em frente, saia da sua zona de conforto, desafie-se! Divirta-se!

A vida é curta demais para não curti-la como você bem quiser. Perca menos tempo pensando no que os outros vão pensar, e faça o que tiver vontade.

Ah, e mensagens queridas de feliz aniversário nos comentários são muito benvindas!

O mais importante: DIVIRTA-SE!

1. Faça as pazes com os seus pais. Seja por, finalmente, reconhecer que eles realmente querem o melhor para você ou por perdoá-los por serem imperfeitos, você não pode entrar feliz na vida adulta com essa marca de ressentimento familiar.

2. Beije alguém que seja ‘muita areia para o seu caminhãozinho’. Beije modelos, estudantes de medicina e empreendedores que moram em Dubai, e não se preocupe se eles(a) vão te ligar depois ou não.

3. Minimize a sua passividade.

4. Seja subordinado ou faça um bico, para começar a entender como gorjetas funcionam, como manter a paciência perto de babacas e como algumas palavras amáveis podem mudar o dia de alguém.

5. Reconheça liberdade como uma passada num fast food às 5h30 da madrugada com um bando de estranhos que você acabou de conhecer.

6. Tente não se martirizar por possuir um diploma ‘inútil’. Dinheiro é um terror e as coisas não aconteceram exatamente como você planejou, mas você tinha mesmo que fazer faculdade… E ter um diploma não é a pior coisa do mundo. Nós vamos resolver essa confusão, provavelmente. O ponto é que você não merece menos só porque ir à faculdade não trouxe um retorno imediato. Seja paciente, trabalhe com o que você tem e lembre-se que muitos de nós estamos nessa juntos.

7. Se você está em qualquer emprego que seja, abra uma poupança. Você nunca sabe quando estará desempregado ou  desesperado para fugir da sua vida por uns dias. Mesmo R$20 por semana já fazem R$1040 a mais por ano do que você teria de outro jeito.

8. Adquira o hábito de ir lá fora, aproveitar a luz, cultivar seus amigos, esquecer a internet.

9. Fique curtindo – e alimentando – uma ressaca por 4 dias seguidos.

10. Comece um relacionamento com o(a) sua paixão platônica dizendo que o(a) quer. Diretamente. Tipo, olhando em seu rosto e dizendo assim: Eu quero você. Eu quero ficar com você.

11. Aprenda a dizer não – para você mesmo. Não continue usando salto alto se você odeia, não continue fumando se você odeia o seu cheiro no dia seguinte, pare de passar dias inteiros afundado no sofá para depois reclamar que está perdendo o Sol.

12. Tire um tempo para revisitar os lugares que construíram quem você é: o apartamento em você cresceu, sua escola, sua cidade natal. Esses lugares até podem ficar lá para sempre, mas você definitivamente não.

13. Encontre um hobby que te faça esperar pelo momento de ficar sozinho, que deixe essa solidão momentânea agradável e energizadora.

14. Pense que você se conhece até conhecer alguém mais do que você.

15. Esqueça quem você é, suas prioridades e como uma pessoa deveria ser.

16. Identifique os seus medos e, ao invés de deixar que eles controlem as suas ações, encontre e converse com pessoas que já os superaram. Não se contente sem experimentar 000002% do que o mundo tem para oferecer porque você tem medo de viajar de avião.

17. Adquira o hábito de organizar as coisas e desapegar. Só porque funcionaram em algum momento não significa que você deve mantê-las para sempre – sejam essas ‘coisas’ o seu par de calças favorito ou o seu ex.

18. Pare de se odiar.

19. Saia e assista àquele filme, leia aquele livro ou ouça aquela banda que você já mentiu sobre ter assistido, lido, ouvido.

20. Tire vantagem do seguro de saúde enquanto você ainda é saudável.

21. Crie o hábito de falar às pessoas como você se sente, seja escrevendo um e-mail de fã para alguém cujo trabalho você ame ou falando ao seu chefe por que você merece um aumento.

22. Namore alguém que diga “Eu te amo” primeiro.

23. Deixe o país com a desculpa de “se encontrar”. Isso não funcionará. Lugares não mudam pessoas. Invés disso, beba bastante sozinho, leia vários livros, faça sexo em albergues sujos e volte para casa quando a saudade bater.

24. Revolucione e compre um Macbook Pro. Ou um Samsung Ultra. Não importa. Compre alguma coisa que você queira muito.

25. Largue aquele emprego que te deixa infeliz, termine relacionamentos que te façam agir como um lunático, abandone os amigos que ininterruptamente te dão vontade de vomitar. Você é novo, resiliente, há outros trabalhos, relacionamentos e amigos se você estiver aberto a eles.

26. E fique à vontade. Adicione quantos pontos quiser a essa lista. Afinal, a vida é sua. Crie metas, e alcance-as!

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

Cinco fatos sobre a cidade do futuro

Já parou para pensar como será a organização urbana do futuro? Pode parecer um grande devaneio, mas com base nas dificuldades enfrentadas pelas cidades atualmente é possível imaginar como serão as cidades no futuro. Em 50 ou 100 anos, muita coisa estará diferente: é só observar as fotos e relatos do início do século XX para comprovar isto. Os carros começavam a povoar as ruas, o bonde era a única opção de transporte público (tirando exceções como Londres e Budapeste, que tem os sistemas de trens urbanos mais antigos do mundo).

1)      Cidades/distritos/bairros menores e mais práticos

Deslocamentos menores, menos trânsito!

Morar no Limão, trabalhar no Morumbi e namorar alguém do Carrão é impossível e qualquer pessoa que já precisou se deslocar por São Paulo sabe do que eu estou falando. Essa situação está na fronteira do impraticável, e soluções terão que entrar em prática.

Um primeiro fenômeno é o êxodo urbano, o bom e velho fugere urbem enunciado pelos árcades há alguns séculos. Mas isto não será suficiente, e cada região das grandes cidades precisa ser autossuficiente. No futuro, se você não trabalhar diretamente de casa, trabalhará perto dela. Estudará na mesma região. O mesmo para fazer compras, passeios, etc. E provavelmente, acabará dando de cara com a sua cara-metade num desses momentos…

2)      Cidades sem carros

No lugar de carros, espaços de lazer

“Qual é, você realmente acha que é possível viver em uma cidade sem carros?”

Sim, acho. Não apenas acho, eu tenho certeza. Existem dezenas de alternativas, e o mais provável é que um misto de todas elas ocorram no futuro. Se há 100 anos vivíamos muito bem sem carros, por que não podemos voltar a viver bem sem eles?

Não digo que você não terá mais um possante na cor favorita. Mas ele provavelmente não será seu principal meio de transporte para os deslocamentos diários. Morando, trabalhando e estudando perto, você não precisará mais percorrer longas distâncias com frequência. Um transporte público eficiente suprirá boa parte das suas necessidades.

O deslocamento multi-modal se popularizará: a associação de trens, ônibus, bicicletas e até “personal rapid transit solutions” serão utilizadas. O carro provavelmente ficará estacionado em bolsões na entrada de cada distrito/bairro, e as áreas entre as casas poderão ser melhor utilizadas.

Mais segurança e qualidade de vida para todos da região. Admita… não é uma boa ideia?

3)      Home Office, coworking places e networking

Lugares como o Coffice, em Estocolmo, devem se multiplicar e popularizar

As grandes empresas já são cada vez menos comuns. Atualmente, 90% das companhias de todo o globo tem menos de 10 empregados. Sabe o que isso quer dizer? Que provavelmente, você não trabalhará em um grande prédio na Av. Faria Lima para sempre.

Se você não trabalhar diretamente de casa, é provável que utilize um “coworking space”, um escritório compartilhado com internet de alta velocidade e infraestrutura adequada para a vida profissional.

O networking já é primordial atualmente, mas vai ficar ainda mais importante. Empresas grandes concentravam toda a cadeia da indústria em que trabalhava, mas em empresas menores e mais dinâmicas, isso não vai mais acontecer.

Buscar clientes e parceiros ganhará cada vez mais importância. E para isso, feiras e eventos temáticos serão fundamentais. E eles não necessariamente reunirão todas as pessoas num mesmo espaço: com a internet cada vez mais rápida, multiplicar-se-ão eventos virtuais, com palestras de figurões internacionais frequentados por profissionais de todas as partes do planeta.

Na hora do Coffee Break, você poderá interagir com um indiano ou canadense com ideias alinhadas com as da sua empresa. Já pensou?

4)      Menos empresas, mais espaços públicos

Com maior controle sobre o próprio tempo, as pessoas devem ocupar as áreas públicas das cidades – mesmo para trabalhar

Dos pontos anteriores, já se pode deduzir que grandes corporações serão cada vez mais incomuns, e o trabalho ocorrendo de qualquer lugar se multiplicará. Cidades inteiras cobertas por rede wi-fi devem ser comuns. Parques, praças e outros espaços públicos serão povoados por profissionais realizando suas atividades. É claro que as indústrias sempre existirão. Mas grandes edifícios lotados de escritórios serão cada vez mais incomuns.

5)      Fazendas urbanas

Hortas e fazendas urbanas já são uma realidade em Nova York e outras metrópoles do exterior, mas no Brasil esse conceito apenas começa a ganhar força. Hortaliças e legumes são extremamente sensíveis, e devem ser produzidos o mais próximo possível do mercado consumidor. No futuro, as plantações invadirão as cidades – e não apenas nas pequenas hortas das senhoras de família. O topo dos prédios é um dos locais priorizados por empresas especializadas em instalar fazendas urbanas, mas a inovação vai além: prédios inteiros poderão ser projetados como estufas verticais, produzindo alimentos suficientes para fornecer alimentos frescos e saudáveis para os habitantes da região.

E aí, gostou do futuro?

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , ,

Você é dono do seu corpo?

Hoje, o Supremo Tribunal Federal (STF), instância jurídica máxima de nosso país, começa a discutir a legalidade do aborto de fetos anencéfalos no Brasil.

Anencéfalos são fetos com má formação do tubo neural e que nascem sem uma parte, ou a totalidade, do cérebro. A chance de sobrevida destes fetos é praticamente nula. Como o UOL destacou:

A anencefalia ocorre por um defeito no fechamento do tubo neural, estrutura que dá origem ao Sistema Nervoso. Costuma ocorrer entre o 21º e o 26º dia de gestação. Como a calota craniana (parte do crânio da sobrancelha para cima) não se forma, o cérebro fica exposto e vai sendo corroído pelo líquido amniótico. O grau da lesão varia de feto para feto.

A grande maioria dos bebês com anencefalia sobrevive por poucas horas ou dias após o nascimento. No entanto, como a lesão é variável, há casos em que a sobrevida é maior. Como o  tronco cerebral (parte mais próxima da medula espinhal) é pouco afetado, a criança apresenta funções vitais, como batimentos cardíacos e pressão arterial. Mas a atividade cerebral não existe. É aí que começa a polêmica em relação ao aborto.

“A anencefalia é incompatível com a vida e corresponde à morte cerebral”, diz o ginecologista e obstetra Thomaz Gollop, professor de genética médica pela Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Grupo de Estudos sobre o Aborto (GEA) da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Em casos extremos, como o de Marcela de Jesus Ferreira ou de Vitória de Cristo (foto), a criança pode viver até dois anos. Porém, estes são casos raríssimos.

A história desta menina é relatada pelos pais em um blog, e de fato é surpreendente.

Se o STF votar a favor da descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, nenhuma mãe será obrigada a abortar. No entanto, se ela quiser, ela terá este direito. Ela não será obrigada a carregar em seu ventre um bebê praticamente fadado a uma morte rápida. Ela não terá que passar por uma transformação corpórea gigantesca em troca de um sofrimento gigantesco, que é a morte de um filho. Estas mulheres têm grande tendência à depressão e sofrimento sem iguais.

Não preciso esconder que sou favorável não apenas a este, como a todo aborto. Na minha opinião, é preferível que um feto seja sacrificado, que vir ao mundo em uma família desestruturada, que não quer recebê-lo. Ainda não há consciência, sequer vida de forma independente e, portanto, não considero o aborto uma forma de homicídio.

Além disto, já se realizam milhares de abortos irregularmente em todo o país, muitos casos em clínicas clandestinas sem nenhuma estrutura. Estima-se que, a cada ano, 80 mil mulheres morram no planeta em procedimentos realizados desta forma. É assustador, e estas mortes poderiam ser evitadas. Portanto, se o aborto não for legalizado, é preciso que se faça uma fiscalização expressa para evitar a continuidade destes procedimentos, e oferecer conforto e estrutura às mulheres que não desejam o filho que carregam em seus ventres. Fechar os olhos a uma realidade tão presente é ser conivente com as mortes, e aí o discurso religioso de defesa da vida se torna hipócrita e vazio.

Importante destacar que não é a primeira vez que nossa corte máxima precisa atuar em campos que, originalmente, deveriam ser cobertos pelo legislativo. Recentemente, a união estável foi equiparada ao casamento civil, beneficiando homossexuais de todo o país. O que vocês acham disto? Até quando vamos ser coniventes com um parlamento ineficiente e relapso? Você acha que a presença de grupos de interesse (como as bancadas religiosas, por exemplo) e as disputas partidárias aumentam a ineficiência da câmara e do senado?

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,
Anúncios